Duzentos trabalhadores dos Transportes de Coimbra manifestam-se contra eventual internalização

Cerca de 200 trabalhadores dos Serviços Municipalizados dos Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC) concentraram-se hoje na antiga Igreja do Convento São Francisco, naquela cidade, onde vai decorrer uma sessão da Assembleia Municipal, na qual será votada a internalização daquele serviço.

Coimbra

A concentração surge depois de um plenário de trabalhadores convocado para hoje pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local (STAL), que teve como objetivo fazer “pressão” contra a proposta de internalização dos SMTUC, que é votada hoje na Assembleia Municipal, afirmou à agência Lusa a dirigente sindical Luísa Silva.

“Os trabalhadores votaram, em plenário, com a presença do presidente da Câmara, que eram contra essa internalização e, portanto, nós estamos do lado dos trabalhadores e somos contra essa internalização porque achamos que não é isso que vai resolver o problema dos SMTUC”, frisou a dirigente do STAL.

Segundo Luísa Silva, os trabalhadores decidiram marcar presença na Assembleia Municipal de Coimbra para “fazer uma pressão para que a internalização não aconteça” e sensibilizar os deputados para um chumbo da proposta, que foi previamente aprovada em reunião da Câmara de Coimbra, cujo executivo é liderado pela Coligação Juntos Somos Coimbra (PSD/CDS-PP/Nós, Cidadãos!/PPM/Aliança/RIR e Volt).

“Os principais receios são o desaparecimento dos SMTUC e das linhas dos SMTUC. O Metro Mondego vai ficar com as linhas mais importantes dos SMTUC e esta proposta vai levar serviços a desaparecerem e motoristas e restantes trabalhadores a serem integrados noutros serviços. Não queremos isso”, vincou.

A proposta foi aprovada por maioria da coligação Juntos Somos Coimbra em 12 de setembro, contando com os votos contra do PS e da CDU.

No início da Assembleia Municipal de Coimbra, o presidente do órgão, Luís Marinho (PS), referiu que houve “um compromisso” com os trabalhadores de não se manifestarem ou de intervirem durante a ordem de trabalhos.

Antes da ordem de trabalho, um porta-voz dos funcionários dos SMTUC, José Pires de Sousa, realçou que, ainda durante a campanha, o atual presidente da Câmara, José Manuel Silva, fez “promessas” que não foram cumpridas.

“Não houve cumprimento da palavra e os transportes pioraram 100%. Como é que se pede apoio aos funcionários para dar apoio à internalização quando, para trás, não houve cumprimento de uma palavra? Todos os funcionários estão desconfiados”, frisou.

José Pires de Sousa realçou ainda que a responsabilidade do “caos” nos SMTUC “será sempre do senhor presidente”, caso a internalização avance ou não.

“Nenhum dos funcionários aqui é responsável pela má gestão dos SMTUC”, vincou, criticando a atual situação dos serviços.

A proposta de internalização foi rejeitada no final de agosto em assembleia geral dos funcionários dos SMTUC com 130 votos contra, 38 a favor e 33 abstenções.

Apesar de o Juntos Somos Coimbra ter maioria absoluta na Câmara Municipal, a Assembleia Municipal é presidida pelo PS, que conta com 12 deputados eleitos e dez presidentes de junta (22 membros).

O Juntos Somos Coimbra conta com 21 membros, a CDU cinco, o movimento Cidadãos por Coimbra (CpC) dois e o Chega um.

Recomendadas

José Luís Carneiro: Tráfico de imigrantes é “problema estrutural” e polícia intervém porque sociedade “falha”

“Não é um problema novo, é um problema estrutural”, em termos internacionais, afirmou hoje aos jornalistas o governante, no Comando Territorial de Évora da GNR, onde presidiu à inauguração do Espaço “Maria e António”, a renovada sala dedicada ao atendimento à vítima.

Violência doméstica. APAV junta-se à hamburgueria A-100 em ação de sensibilização

A hamburgueria compromete-se a doar à APAV um euro por cada sobremesa vendida esta sexta-feira e vai iniciar uma angariação de fundos na sua página de Instagram até ao final do ano, com o dinheiro a reverter a favor da associação.

Crime de violência doméstica representa metade das medidas de vigilância eletrónica

Entre 2.224 solicitações de vigilância através de pulseira eletrónica recebidas pela DGRSP de janeiro a outubro deste ano, 1.126 ocorreram no âmbito do crime de violência doméstica, correspondendo a 50,63% do total.
Comentários