É empresário? Saiba como poupar 8 mil € por ano

Pagar impostos e contribuições sociais é, muitas vezes, um “mal” necessário. E, se puder pagar menos? Há cartões que podem valer um bom dinheiro. E não estamos a falar do Monopólio.

Neste jogo, todos ganham: empresas e colaboradores. Pelo menos, se souberem jogar. As regras são fáceis. Já ouviu falar do cartão refeição? Sim, é um cartão. Não é a mesma coisa que ter notas e moedas na mão. E se significar ter mais dinheiro no bolso no final do mês? E se permitir poupanças elevadas para a sua empresa? Já captámos a sua atenção? Ora, preste atenção.

Em 2017, o valor do subsídio de refeição pago aos funcionários públicos aumentou duas vezes: em Janeiro, para 4,52€ e, em Agosto, para 4,77€. Apesar de dizer respeito aos trabalhadores do Estado, os valores servem de referência para o setor privado. O problema é que, na altura, a diferença entre os dois aumentos – 25 cêntimos – era sujeita a IRS e descontos para a Segurança Social. Com a entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2018, o cenário muda. E a tributação também: passa, apenas, a existir nos casos em que os subsídios pagos em dinheiro ultrapassem os 4,77€ por dia. Mas não fica por aqui. Quer saber como pode poupar mais? É aqui que entram os cartões.

O cartão refeição é uma alternativa ao pagamento tradicional do subsídio de refeição em dinheiro. Com uma grande vantagem: fica isento de tributação até aos 7,63€ diários – o que representa uma poupança superior a 60%.

De acordo com uma simulação da Ticket Serviços, uma empresa que tenha 50 colaboradores gasta, por ano, 92.323€ em subsídios de refeição. Se pagar em dinheiro terá encargos com a Taxa Social Única (TSU) e uma despesa total superior a 100 mil € (100.542€). Se optar pelo cartão refeição, fica isenta de TSU – o que representa uma poupança de 8219€ por ano.

Na mesma lógica, o colaborador também sai a ganhar. Se receber o subsídio de refeição em dinheiro, em vez de 1846€ por ano, recebe, apenas, 1573€: 76€ são descontados para a TSU e 197€ para uma taxa de IRS estimada de 28,5%. Se a empresa onde trabalha optar por pagar em cartões refeição, o colaborador tem um benefício fiscal de 273€ por ano. Experimente fazer uma simulação aqui e veja com os seus próprios olhos.

Como é que funciona? É fácil. A entidade patronal transfere, todos os meses, o valor do subsídio para o cartão refeição. O cartão é semelhante a qualquer Multibanco ou Visa: tem um código PIN, é pessoal e intransmissível e, na maior parte dos fornecedores, até pode consultar o saldo através de uma app. Pode utilizá-lo em restaurantes, supermercados, lojas online, mercearias ou qualquer estabelecimento que tenha acordo com a rede em que se insere. O número de aderentes é cada vez maior, por isso, não deverá ter problemas em encontrar onde gastar o seu subsídio. Se, mesmo assim, não atingir o limite do saldo, o restante fica disponível para os meses seguintes. Para além do cartão, em alguns casos, existe também o pagamento através de vales. Já decidiu se quer poupar?

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a Ticket Serviços.

Recomendadas

Cheque-família começa a ser pago a partir de 20 de outubro, anuncia Marques Mendes

No seu espaço habitual de comentário ao domingo no Jornal da Noite da Sic, Marques Mendes assegurou que este apoio, anunciado pelo Governo a 5 de setembro, vai começar a chegar às contas bancárias das famílias a partir do dia 20 do próximo mês.

Comissão Europeia diz que Portugal é “moderadamente inovador”

O país encontra-se no grupo dos países moderadamente inovadores, passando da 19ª para a 17ª posição entre os 27 Estados-Membros, segundo os dados da Comissão Europeia tornados públicos pela ANI (Agência Nacional de Inovação).

Emirados Árabes Unidos vão fornecer à Alemanha gás liquefeito e gasóleo em 2022 e 2023

Segundo a agência noticiosa oficial dos Emirados, Wam, o acordo prevê a exportação de uma carga de gás natural liquefeito (GNL) para a Alemanha no final de 2022, seguida do fornecimento de quantidades adicionais em 2023.
Comentários