E o Grande Prémio da Literatura dst vai para… João Luís Barreto Guimarães

“Movimento”, do portuense João Luís Barreto Guimarães, é a obra vencedora do XVII Grande Prémio de Literatura dst, dedicado este ano a obras de poesia de autores portugueses, publicadas em 2020 e 2021.

Pedro Soares Botelho, Madremedia

Um prémio literário dedicado à Poesia será sempre uma incógnita pela vertente estética, pela qualidade da escrita, pelo desassossego que a sua mensagem poderá suscitar. Mas também pela frieza ou calor dos números. Neste caso de participantes. Ora, um dos aspetos realçados pela organização do XVII Grande Prémio de Literatura dst é precisamente a participação recorde, que rondou a centena e meia de inscritos.

Destacada a importância dos números, importa agora realçar as razões invocadas pelo júri – composto pelo pelo presidente da Associação Portuguesa de Escritores, José Manuel Mendes, pelo professor e escritor Vítor Manuel de Aguiar e Silva, e pelo professor da Universidade do Minho, Carlos Mendes de Sousa – para atribuírem o galardão em causa a “Movimento”, do poeta portuense João Luís Barreto Guimarães. A saber, lê-se em comunicado, “os méritos incomuns na dicção e estrutura poéticas, marcadas por um sentido de rigor, concisão e problematização do quotidiano”.

 

 

Barreto Guimarães nasceu a 3 de junho de 1967, no Porto, e conta no currículo com 11 livros de poesia, os primeiros sete reunidos em “Poesia Reunida” (2011). Seguiram-se “Você está Aqui” (2013), “Mediterrâneo” (2016), “Nómada” (2018), a antologia “O Tempo Avança por Sílabas” (2019) e “Movimento” (2020).

Dentre o palmarés reunido até hoje, figuram galardões como o Prémio Criatividade Nações Unidas 1992; o Prémio Nacional de Poesia António Ramos Rosa 2017, o Prémio Livro de Poesia do Ano Bertrand 2018 e o Prémio Literário Armando da Silva Carvalho 2020. As edições italianas de “Mediterrâneo” e “Nómada” foram finalistas do Premio Internazionale Camaiore em 2019 e 2020, respetivamente, e a tradução para inglês de “Mediterrâneo” recebeu o Willow Run Poetry Book Award 2020, nos EUA, onde será editado este ano.

O prémio será entregue a 2 de julho, no Theatro Circo, na Feira do Livro em Braga.

Recordem-se as seis obras finalistas para a edição deste ano do XVII Grande Prémio de Literatura dst: “Caderneta de lembranças”, de A. M. Pires Cabral; “Diamante”, de António Carlos Cortez; “Ângulo Morto”, de Luís Quintais; “Atirar para o torto”, de Margarida Vale de Gato; “Movimento”, de João Luís Barreto Guimarães; e “Errático”, de Rosa Oliveira.

Sendo um prémio de funcionamento alternado, em que num ano é premiada uma obra de prosa e, no seguinte, uma obra de poesia, os vencedores das três últimas edições dedicadas à poesia foram Fernando Guimarães, com “Junto à Pedra” (2020), Daniel Jonas, com “Oblívio” (2018) e Manuel Alegre, com “Bairro Ocidental” (2016). Na prosa, os três últimos galardões premiaram “Livro de Vozes e Sombras” de João de Melo (2021), “Estuário” de Lídia Jorge (2019) e “Astronomia” de Mário Cláudio (2017).

Recomendadas

“Comboio da Meia-Noite”: Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra propõe exposição à boleia da alta velocidade

Alunos de Mestrado de Arquitetura de Coimbra desenham o futuro. Ou melhor, idealizam uma Estação Ferroviária para a cidade, símbolo de uma nova mobilidade. O futuro talvez não esteja assim tão longe. Para ver e debater até junho.

Tom Cruise distinguido em Cannes dias antes do remake de Top Gun estrear em Portugal

O filme marca o regresso de Tom Cruise a Cannes 30 anos depois e faz parte da digressão mundial da longa-metragem, que estreia no nosso país a 26 de maio e conta com um elenco de luxo.

Sara Sampaio deslumbra na passadeira vermelha em Cannes

A top model portuguesa surgiu na passadeira vermelha do festival de cinema, deslumbrante, com um vestido que se destacou entre os demais.
Comentários