É oficial: os americanos renderam-se ao nosso vinho

A ViniPortugal realiza esta quarta-feira, em Nova Iorque, a última prova de vinhos deste ano nos Estados Unidos, mercado onde as exportações de vinhos portugueses cresceram 14,4% no primeiro semestre. As exportações para os EUA cresceram de 69 985 para 80 086 hectolitros, o que traduz um crescimento de 14,4%, em relação ao período homólogo […]

A ViniPortugal realiza esta quarta-feira, em Nova Iorque, a última prova de vinhos deste ano nos Estados Unidos, mercado onde as exportações de vinhos portugueses cresceram 14,4% no primeiro semestre.

As exportações para os EUA cresceram de 69 985 para 80 086 hectolitros, o que traduz um crescimento de 14,4%, em relação ao período homólogo de 2013, confirmou a ViniPortugal à agência Lusa.

No Canadá, por outro lado, houve um decréscimo de 11% no valor.

Os vinhos portugueses regressaram esta semana aos EUA através de duas provas. A primeira realizou-se em Boston, na segunda-feira, no The Boston Harbor Hotel. A segunda acontece esta quarta-feira em Nova Iorque, no Prince George Ballroom.

Estas duas provas anuais sucedem-se às realizadas em maio, nas cidades de São Francisco e Chicago.

O presidente da ViniPortugal, Jorge Monteiro, confirmou à agência Lusa que os dois países continuarão a ser uma aposta da organização nos próximos três anos.

“Em 2015, 2016 e 2017 serão investidos, anualmente, um milhão e 500 mil de euros nos EUA e 90 mil no Canadá. A estes valores acresce cerca de 140 mil com as viagens dos agentes económicos, que são também um custo da ViniPortugal”, explicou o responsável.

Monteiro diz que os EUA “foram uma aposta porque apresentavam um elevado potencial de crescimento e funcionavam com mercado montra.”

“Estes pressupostos mantêm-se e a notoriedade dos Vinhos de Portugal está em crescimento, acompanhada pelo crescimento das exportações”, acrescentou.

Os EUA são hoje o maior consumidor de vinho, à frente de França e de Itália, sendo o 3.º importador mundial, e é considerado um mercado definidor de tendências para outros grandes mercados.

“Em termos de exportações, Portugal ainda não tem neste mercado a posição que gostaria, mas estou convencido que está ao nosso alcance. Seria muito positivo manter esta taxa de crescimento nos próximos anos”, disse Jorge Monteiro à agência Lusa, explicando que os principais trunfos dos vinhos portugueses são a sua consistência e relação custo-benefício.

“Condições fundamentais na captação e fidelização dos consumidores”, disse.

A ViniPortugal é a associação interprofissional do setor vitivinícola que promove os vinhos portugueses internacionalmente. Este ano, investiu em marketing 7,5 milhões de euros em 11 mercados.

 

OJE/Lusa

 

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.