É preciso acelerar 5G e aumentar a cobertura em Portugal, diz presidente da APDC

Rogério Carapuça, presidente da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC), afirma que, em termos de penetração e da cobertura de 5G, Portugal tem zero contra 66% da média europeia.

Rogério Carapuça, presidente da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC), afirma que é preciso acelerar a implementação do 5G em Portugal, bem como aumentar a sua cobertura, numa altura em que o país continua a estar muito atrás do resto da Europa.

Do ponto de vista dos operadores de telecomunicações, “o investimento que foi feito até agora foi excelente, deu resultado. Portugal tem das melhores conectividades de banda larga da Europa e por isso ficamos bem na fotografia”, afirmou Rogério Carapuça na mesa redonda sobre o “Futuro das TIC” organizada esta sexta-feira pelo Jornal Económico.

“Só que recentemente apareceu um outro indicador que é a penetração e a cobertura de 5G, onde Portugal tem zero contra 66% da média europeia”, disse o presidente da APDC. Isto porque “tivemos um concurso de atribuição de frequências que levou um ano e porque tivemos um concurso que dá incentivos negativos a quem faz o investimento”.

Alguém que investe numa rede, com um investimento mais pequeno, e pode ter acesso às redes daqueles que investiram um valor maior por um preço que os donos dessas redes não podem, no limite, definir, é um desincentivo para o investimento para quem já investiu”, salientou.

Outro ponto a melhorar em Portugal, na perspetiva da APDC, é no sentido de aumentar a percentagem da população com “skills” digitais básicas. Isto além de aumentar os graduados e outros especialistas em tecnologias de informação e comunicação (TIC).

“Portugal tem uma grande carência de técnicos em tecnologias de informação e comunicação”, sendo um “grande ponto a resolver”, afirmou o presidente da APDC.

Rogério Carapuça refere ainda que é necessário haver mais “killer applications” para empresas, nomeadamente pequenas e médias empresas, dando como exemplo a fatura eletrónica e o comércio online, bem como haver uma simplificação dos serviços públicos.

(Notícia atualizada às 11:15)

Relacionadas

Reveja aqui. Mesa Redonda: Futuro das TIC

O evento organizado pelo Jornal Económico decorre esta sexta-feira, no ISEG, em Lisboa. Na mesa, estão temas como os desafios e tendências da cibersegurança, bem como as dificuldades que a transformação digital traz às empresas. Acompanhe em direto na JE TV.
Recomendadas

Sete imagens dos primeiros dias do evento anual da Amazon Web Services

Pavilhões para palestras, formações e exposições, zonas de trabalho e lazer e salas de coworking são alguns dos espaços que existem no recinto do re:Invent 2022.

Mais de 80% dos unicórnios estão na cloud, destaca Adam Selipsky

Para o CEO da Amazon Web Services, a nuvem permite às empresas moverem-se em quatro cenários diferentes: vasto, incomensurável, extremo e de possibilidades futuras.

Ferrari vai lançar aplicação móvel em 2023 com a Amazon Web Services

A ‘app’ será dedicada à equipa de Fórmula 1 Scuderia Ferrari e estará online no próximo ano. “Não se pode descurar a inovação”, disse Jock Clear, engenheiro mecânico e ‘coach’ do piloto Charles Leclerc, na conferência tecnológica re:Invent.
Comentários