Premium“É tremendo! A nossa universidade não tem acesso a milhões de euros”

“Temos dificuldade em aceder a verbas que são fundamentais para nós, incluindo algumas que são do politécnico”, alerta o reitor da UMa, José Carmo. Isto “dificulta a situação financeira da Universidade”.

José Carmo, reitor da Universidade da Madeira (UMa), em entrevista ao JE Madeira, queixa-se da situação financeira causada à sua instituição de ensino superior pelo facto de “não ter acesso a milhões de euros”. O efeito deste condicionalismo numa Universidade em que 42% dos estudantes têm bolsa de ação social “é tremendo”, diz o reitor.

Que tipo de retorno é que o reforço de verbas destinadas ao Ensino Superior poderia trazer à Madeira?
Antes de passarmos à Madeira eu diria que o grande desafio que o ensino superior tem é a continuação do reforço da qualificação dos portugueses e do aumento do número de estudantes que estão no ensino superior. Isso é claramente o maior desafio. Ainda estamos longe dos objetivos que propusemos a nível da União Europeia, da formação superior em 40% da população com idades entre os 30 e os 34 anos. Tínhamos 35% em 2016. E o objetivo para 2030 é 50% da população entre os 30 e os 34 anos com formação superior. Há o objetivo de termos 60% dos jovens com formação superior em 2030. Neste momento temos 40%. Isto é um esforço tremendo e exigirá investimento, desde logo na ação social. Há um documento do conselho de reitores que foi entregue ao Presidente da República, ao primeiro-ministro e a todos os partidos nacionais, com alguns eixos fundamentais, um deles é precisamente o reforço desta componente e o reforço da ação social. A ação social tem um peso tremendo na formação dos portugueses e o que se defende é que se aumente quer o número de estudantes abrangidos pela ação social, quer o valor da bolsa, portanto, que haja mais escalões. Comparando com a situação na Madeira, enquanto a nível nacional, de acordo com o documento, 21% dos estudantes têm bolsa da ação social, na Universidade da Madeira 42% têm bolsa da ação social.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 2 de agosto.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/gastos-com-educacao/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”513″ slug=”gastos-com-educacao” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/gastos-com-educacao/thumbnail?version=1542820751311&locale=pt-PT&publisher=www.jornaleconomico.pt” mce-placeholder=”1″]

Recomendadas

PremiumNovo embargo à Rússia com impacto no preço do gasóleo na bomba

Um quarto do gasóleo consumido na Europa continua a vir da Rússia, mas a partir de 5 de fevereiro entra em vigor novo embargo. Analistas apontam que preços na bomba estão em risco de sofrer aumentos.

PremiumJá não há forma de a guerra escapar a uma escalada de violência

A decisão de enviar tanques de guerra ocidentais para a Ucrânia transformou os próximos meses numa ‘janela de oportunidade’ para as tropas russas. As notícias de que Moscovo está a preparar nova ofensiva para fevereiro ou março têm tudo para serem levadas a sério.

PremiumEfeitos base levam Portugal a liderar crescimento europeu

Os 6,7% de 2022 ficam bem acima dos 3,5% da zona euro e até da previsão de 6,5% do Governo, mas refletem um atraso na recuperação da economia nacional. Inflação voltou a recuar abaixo da europeia, mas core ainda preocupa.
Comentários