easyJet espera que cedência de ‘slots’ seja “transparente e aberta a todos”

Numa resposta por escrito, enviada à Lusa, fonte oficial da companhia aérea indicou que “não é contra os auxílios estatais, desde que estes não prejudiquem a concorrência e que sejam cedidos em condições de igualdade”.

A companhia aérea easyJet disse hoje que tem interesse em “expandir” a presença em todos os aeroportos nacionais e que espera que o processo de cedência de ‘slots’ da TAP seja “transparente e aberto a todos os ‘players'”.

Numa resposta por escrito, enviada à Lusa, fonte oficial da companhia aérea indicou que “não é contra os auxílios estatais, desde que estes não prejudiquem a concorrência e que sejam cedidos em condições de igualdade”.

“Congratulamos o pedido da comissão da União Europeia para que a TAP liberte algumas das suas ‘slots’ [faixas horárias], com o objetivo de ter acesso aos fundos”, salientou.

“Tal como temos vindo a demonstrar, temos interesse em expandir a nossa presença em todos os aeroportos portugueses, pelo que esperamos que este seja um procedimento de caráter transparente e aberto a todos os ‘players’ da indústria”, rematou a companhia aérea.

A Comissão Europeia defende que a obrigação de a TAP atribuir até 18 ‘slots’ por dia a uma outra companhia aérea, através de um concurso organizado por Bruxelas, permite a essa concorrente “competir eficazmente” com a transportadora portuguesa.

Em causa está um dos ‘remédios’ imposto pelo executivo comunitário para aprovação do plano de reestruturação da TAP, que Bruxelas justifica, em resposta escrita enviada à agência Lusa, permitir “limitar os efeitos de distorção da ajuda no aeroporto de Lisboa, que está estruturalmente muito congestionado e onde a TAP tem uma posição forte”.

“A atribuição de até 18 ‘slots’ a uma companhia aérea concorrente, através de um processo de seleção transparente e não discriminatório organizado pela Comissão – com o apoio de um administrador de acompanhamento -, permite a esta última estabelecer ou desenvolver significativamente a sua presença no aeroporto de Lisboa e atingir a escala necessária para competir eficazmente com a TAP, em benefício dos consumidores”, explica fonte oficial da instituição à Lusa.

A Comissão Europeia informou na terça-feira que aprovou o plano de reestruturação da TAP e a ajuda estatal de 2.550 milhões de euros, impondo que a companhia aérea disponibilize até 18 ‘slots’ por dia no aeroporto de Lisboa.

Relacionadas

Ryanair quer libertação dos ‘slots’ da TAP antes do verão de 2022

A companhia de Michael O’Leary argumenta que a libertação dos slots até ao verão de 2022 “prejudica ainda mais a concorrência e as escolhas dos consumidores em Lisboa”. Plano de restruturação da TAP prevê libertação dos espaços de aterragem e descolagem só em novembro do próximo ano.

TAP. Bruxelas aprova nova ajuda estatal de 71,4 milhões para compensar efeitos da pandemia

“A Comissão Europeia aprovou hoje, ao abrigo das regras da União Europeia em matéria de auxílios estatais, uma ajuda portuguesa no valor de 71,4 milhões de euros para continuar a apoiar a TAP Air Portugal no contexto da pandemia”, informa o executivo comunitário em comunicado.

Da ajuda estatal de milhões à cedência de ‘slots’: como vai ser a reestruturação da TAP?

A Comissão Europeia aprovou o plano de reestruturação da TAP e a ajuda estatal de 2.550 milhões de euros, sendo que a companhia aérea terá que disponibilizar até 18 ‘slots’ por dia no aeroporto de Lisboa. Perceba todos os contornos desta reestruturação.
Recomendadas

“2023 será um ano de crescimento nos mercados externos”

O Grupo VAA tem como objetivo globalizar as suas duas marcas principais, Vista Alegre e Bordallo Pinheiro, e identificou sete mercados estratégicos onde está a apostar, explica Nuno Barra.

“Empresas arriscam sozinhas a entrada em mercados pela fraca dinamização e falta de apoio”

Mais de mil empresas participaram no Portugal Exportador no dia 23, orientado para a estratégia de internacionalização.

Rampa Digital dá consultoria às empresas sobre negócios no online

Associação .PT, gestora do domínio web português, quis estar perto das empresas que estão em processo de internacionalização.
Comentários