Economia brasileira ajudará a derrubar crescimento médio da América do Sul em 2014

A economia brasileira irá ajudar a derrubar o crescimento médio da América do Sul em 2014, assim como Argentina e Venezuela, segundo balanço preliminar da Comissão Económica para América Latina e Caribe (Cepal). A previsão de crescimento para a América do Sul neste ano é de 0,7%, segundo a Cepal, citada pela Agência Brasil. A […]

A economia brasileira irá ajudar a derrubar o crescimento médio da América do Sul em 2014, assim como Argentina e Venezuela, segundo balanço preliminar da Comissão Económica para América Latina e Caribe (Cepal).

A previsão de crescimento para a América do Sul neste ano é de 0,7%, segundo a Cepal, citada pela Agência Brasil.

A crise económica internacional afeta diferentemente os países da região, que conta com exemplos como a Bolívia, que deve crescer 5,2% e a Argentina e a Venezuela, que deverão ter o PIB reduzido em 0,2% e 3%, respetivamente.

Ainda segundo o balanço da Cepal, a projeção de crescimento para o Brasil no ano é de 0,2%, abaixo do esperado pelo governo do país (0,5%).

Já em 2015, a expetativa é a de que a situação melhore e o país cresça 1,3%.

Já o PIB da América Latina e Caribe deverá crescer 1,1%, em média, em 2014.

Em 2015, a situação económica deverá melhorar, impulsionada pela lenta recuperação da economia mundial.

OJE/Lusa

Recomendadas

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,

Ucrânia. PM de Moçambique diz que “interesses do país” levaram a abster-se de condenar Rússia

“Não estamos a tomar posição nem de um lado, nem do outro. Estamos a tomar aquilo que a nossa Constituição nos diz para fazer e que é bom para o país e para os interesses de Moçambique”, salientou o primeiro-ministro moçambicano.

Lavrov acusa os EUA de “brincarem com o fogo” em Taiwan

Sergei Lavrov diz que os EUA estão a tentar fazer do mundo “o seu quintal” através da aplicação de sanções e acusa-os de “brincarem com o fogo” em Taiwan.