Economia chinesa abranda em novembro face a disputas comerciais com os EUA

As vendas a retalho e produção industrial na China continuaram a desacelerar em novembro, segundo dados oficiais hoje divulgados, refletindo o impacto das crescentes disputas comerciais com os Estados Unidos.

Guerra Comercial EUA-China

O aumento das vendas a retalho, o principal indicador do consumo privado, recuou para 8,1%, o ritmo mais lento desde maio de 2003, depois de se ter fixado nos 8,6%, em outubro passado.

Os dados, divulgados pelo Gabinete Nacional de Estatísticas, sugerem que o recorde de vendas do comércio eletrónico, durante o dia dos solteiros, que se celebra a 11 de novembro na China, não compensa a quebra noutros setores, nomeadamente as vendas no setor automóvel, que caíram 16,1%, em termos homólogos.

A produção industrial, outro importante indicador da segunda maior economia mundial, aumentou 5,4%, em novembro, face ao mesmo mês do ano passado, depois de ter subido 5,9%, em outubro.

Foi a menor subida dos últimos dez anos.

A produção industrial é utilizada pelas estatísticas chinesas para medir a atividade das grandes empresas, com receitas anuais superiores a 20 milhões de yuan (2,5 milhões de euros).

O investimento em ativos fixos foi o único indicador positivo, com um crescimento de 5,9%, entre janeiro e novembro, depois de se ter fixado nos 5,7%, nos primeiros dez meses do ano.

Os dados revelam que o crescimento da segunda maior economia do mundo deve abrandar no último trimestre do ano, depois de se ter fixado nos 6,5%, no terceiro trimestre, o ritmo mais baixo dos últimos dez anos.

Analistas preveem que a economia chinesa registe um declínio acentuado, ao longo da primeira metade do próximo ano, refletindo o pleno efeito das taxas alfandegárias impostas pelos EUA.

O Governo chinês vai definir na próxima semana as prioridades da política económica para 2019, esperando-se que fixe o déficit orçamental acima do valor para este ano, de 2,6%, e mais reduções fiscais e flexibilização da política monetária.

A ascensão ao poder de Donald Trump nos EUA ditou o despoletar de disputas comerciais, com os dois países a aumentarem as taxas alfandegárias sobre centenas de milhões de dólares de produtos de cada um.

A liderança norte-americana teme perder o domínio industrial global, à medida que Pequim tenta transformar as firmas estatais do país em importantes atores em sectores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros elétricos.

Recomendadas

OE2022. Pagamentos em atraso sobem para 778,1 milhões até agosto

Os pagamentos em atraso das entidades públicas atingiram os 778,1 milhões de euros em agosto, um aumento em 157,6 milhões de euros face ao mesmo período do ano anterior, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

OE2022. Receita fiscal do Estado aumenta 22,8% até agosto para 33,5 mil milhões

A receita fiscal do Estado aumentou 22,8% até agosto face ao mesmo período do ano passado, totalizando 33.511,5 milhões de euros, segundo a Síntese da Execução Orçamental divulgada esta segunda-feira.

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).
Comentários