Economia espanhola cresce abaixo dos 2% pela primeira vez em cinco anos

A revisão em baixa do PIB pelo INE espanhol mostra “um comportamento anómalo do consumo das famílias”.

O Produto Interno Bruto (PIB) de Espanha cresceu 1,9% no terceiro trimestre do ano, um valor que compara com os 2% em igual período de 2018, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) espanhol, divulgados esta segunda-feira, 30 de dezembro. Pela primeira vez em cinco anos, a economia espanhola cresce abaixo dos 2%, consolidando a desaceleração económica que o país vive, aponta o gabinete de estatística.

De acordo com as contas nacionais analisadas, na origem da desaceleração do PIB estarão os dados do consumo e a procura externa, “ambos em níveis inferiores ao previsto”, segundo jornal “El Economista”. A revisão em baixa do PIB pelo INE de Espanha mostra “um comportamento anómalo do consumo das famílias”, segundo a imprensa local.

Embora o consumo das famílias espanholas tenha crescido 0,8 entre abril e junho (duas décimas acima face ao período homólogo) e 1,4% no terceiro trimestre (uma décima abaixo da primeira estimativa do INE espanhol), o gabinete de estatística espera para ver se há uma recuperação ao longo do quarto trimestre apontando a uma recuperação do crescimento da economia.

Já a procura externa, os dados da exportação cresceram 3%, os números das importações evoluíram 3,1%. Contudo, o aumento das “compras espanholas” no estrangeiro – leia-se importações – provocou um corte de uma décima da contribuição da exportações no PIB, o que contribuiu apenas 0,1 pontos percentuais para o crescimento económico do país.

Recomendadas

Líder da Fretilin propõe relação mais económica entre Portugal e Timor-Leste

Em entrevista à Lusa em Lisboa, Mari Alkatiri explicou que esse tem sido o tema das conversas com políticos portugueses, entre os quais o Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, defendendo uma relação multilateral do quadro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quarta-feira

“Governo vai mexer nos escalões do IRS no próximo ano”; “Polícias proibidos de disparar com balas reais contra multidões”; “22 mil milhões de euros para a banca”

Dívida pública federal dos EUA supera 31 biliões de dólares

Aproximando-se do limite legal de 31,4 biliões – um limite artificial colocado pelo Congresso à capacidade de endividamento do governo federal -, a dimensão da dívida confronta uma economia que enfrenta uma inflação elevada, taxas de juro em crescendo e um dólar forte. 
Comentários