Economia norte-americana cresce 3,9% no terceiro trimestre

A economia norte-americana cresceu a um ritmo anual de 3,9% entre julho e setembro, mais do que o previsto, anunciou hoje o Departamento do Comércio. O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre foi de 3,9%, após uma revisão em alta de uma primeira estimativa de 3,5% divulgada anteriormente. Os analistas esperavam que […]

A economia norte-americana cresceu a um ritmo anual de 3,9% entre julho e setembro, mais do que o previsto, anunciou hoje o Departamento do Comércio.

O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre foi de 3,9%, após uma revisão em alta de uma primeira estimativa de 3,5% divulgada anteriormente. Os analistas esperavam que houvesse uma revisão em baixa para 3,2%.

Este crescimento sólido no terceiro trimestre representa, no entanto, um ligeiro abrandamento em relação ao segundo trimestre, quando o PIB aumentou 4,6%.

No primeiro trimestre registou-se uma contração de 2,1% do PIB devido a um inverno particularmente rigoroso.

A revisão em alta no terceiro trimestre reflete um avanço das despesas com consumo ligeiramente mais forte do que o previsto na primeira estimativa (2,2% em vez de 1,8%) e sobretudo um aumento significativo do investimento (5,1% em vez de 1%).

O consumo constitui dois terços do PIB norte-americano e os consumidores gastaram mais em bens duradouros.

O crescimento das exportações, inicialmente estimado em 7,8%, foi revisto em baixa para 4,9%, o mesmo tendo acontecido com a despesa pública que aumentou 4,2% e não 4,6%.

No final do terceiro trimestre, a Reserva Federal (Fed) indicou que a economia tem uma recuperação sólida e decidiu pôr fim ao programa de compra de ativos destinado a apoiar a retoma.

O Departamento do Comércio vai publicar a terceira e última estimativa do crescimento no terceiro trimestre a 23 de dezembro.

OJE/Lusa

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quinta-feira

O Banco de Portugal divulga esta quinta-feira o Boletim Económico de outubro, A expectativa quanto a estas previsões é significante, especialmente depois da pressão do Presidente da República para que o Governo divulgasse as projeções macroeconómicas antes de anunciar o Orçamento do Estado para 2023.

FMI estima que a espiral de salários-preços ainda é um “risco limitado”

A ausência de uma espiral preços-salários não deve levar os líderes a não agirem para combater a inflação persistente, considera ainda o Fundo Monetário Internacional.

Compra de carros de luxo pela TAP “é um problema de bom senso”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

“Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção”, defendeu hoje Marcelo Rebelo de Sousa.