Economista angolano admite entrada da Sonangol no BESA como nacionalização

O diretor do Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola, Alves da Rocha, admite que a entrada da petrolífera estatal Sonangol no Banco Espírito Santo Angola (BESA) corresponde a uma nacionalização. O economista referia-se à mudança na estrutura acionista no BESA – que por sua vez passa a designar-se de Banco […]

O diretor do Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola, Alves da Rocha, admite que a entrada da petrolífera estatal Sonangol no Banco Espírito Santo Angola (BESA) corresponde a uma nacionalização.

O economista referia-se à mudança na estrutura acionista no BESA – que por sua vez passa a designar-se de Banco Económico SA -, decidida em assembleia-geral realizada a 29 de outubro passado.

As decisões, com o BES português a sair do capital social do BESA, foram tomadas no âmbito da intervenção do Banco Nacional de Angola (BNA) naquela instituição e tornaram a Sonangol no principal acionista, com uma participação de 35%.

“Sendo a Sonangol uma empresa estatal e tendo sido chamada a ser agora o principal acionista de um novo banco, por transformação do BESA, isso pode corresponder a uma nacionalização. Mas não nos moldes antigos”, disse Alves da Rocha, questionado em Luanda pela agência Lusa.

O diretor daquele centro, uma das mais conceituadas instituições de análise económica e financeira do país, recorda à Lusa que a Sonangol, concessionária nacional petrolífera, é hoje a empresa “mais poderosa de Angola”, com participações em vários bancos angolanos e portugueses.

“O Estado, através da Sonangol, dispõe agora de toda a capacidade de manobra relativamente à estratégia de futuro deste banco”, reconhece o docente da Universidade Católica.

Alves da Rocha admite que a intervenção, através de um aumento de capital para corrigir o volume de crédito malparado, foi necessária, face ao peso do BESA no sistema financeiro angolano.

“Mas, além da Sonangol, há outros [novos] acionistas que ninguém sabe quem são. Por uma questão de transparência era necessário saber quem são os acionistas e quem são estas empresas. E também era preciso saber para onde e para quem foi o dinheiro emprestado pelo BESA”, aponta.

Por isso, defende ainda, a intervenção do BNA não deverá terminar com a criação deste novo banco, mas apurando também o que “falhou” neste caso.

“Se acredito nisso? Não”, ironiza o economista angolano.

O BNA cessou a 31 de outubro a intervenção direta no agora ex-BESA, iniciada em agosto com a nomeação de dois administradores provisórios, mas assume que manterá o “acompanhamento da implementação plena das medidas extraordinárias de saneamento”, bem como de um “novo plano estratégico” para a instituição.

De acordo com informações divulgadas em Luanda, a banco passa a ser liderado por Angola, com a entrada da Sonangol, com uma posição de 35% do capital social. Somam-se quase 20% da sociedade Geni, que se mantém como acionista, enquanto os chineses da Lektron Capital ficam com 35%, segundo as mesmas informações, ainda não confirmadas pelo banco comercial ou pelo BNA.

A estrutura acionista anterior do BESA era composta ainda pelo BES português, com 55,71%, e pela Portmill, com 24%, participações que foram diluídas, face ao aumento de capital agora concretizado.

Contudo, o BES já considerou que as decisões tomadas em assembleia-geral são “inválidas e ineficazes”, alegando que a sua representante foi impedida de participar na reunião, sob o pretexto de se ter atrasado, afirmando que irá “agir em conformidade”.

O BNA ordenou, a 20 de outubro, seis medidas visando a continuidade do BESA, face ao volume de crédito malparado.

Envolveram o aumento de capital, de 65.000 milhões de kwanzas (494 milhões de euros, à taxa cambial de 4 de agosto, quando o BESA foi intervencionado), para assegurar o cumprimento dos rácios prudenciais mínimos.

O Banco de Portugal tinha confirmado em agosto que o crédito de 3,3 mil milhões de euros que o BES tinha concedido ao BESA passou para o Novo Banco, estando totalmente provisionado.

Já o Novo Banco fica com uma participação de 9,9% no capital social do antigo BESA, por conversão de 53,2 milhões de euros desse empréstimo, titulado, àquela instituição, correspondendo à conversão de 7.000 milhões de kwanzas do empréstimo.

OJE/Lusa

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

Mudança ‘online’ para todas as empresas no mercado regulado de gás já é possível

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) anunciou hoje uma atualização ao guia para mudar para o mercado regulado de gás natural, com os ‘links’ para a contratação eletrónica de todos os comercializadores naquele mercado.

OE2023: Marcelo diz que previsões são melhores do que esperava mas não são “maquilhagem política”

O Presidente da República afirmou hoje que as previsões económicas do Governo para 2023 são melhores do que esperava, mas considerou que não são “um exercício de maquilhagem política”, embora admitindo que posam falhar.