Na diversificação é que está o ganho

Alocar o seu capital investido num só ativo pode ser altamente arriscado porque se perder, pode perder tudo. Por isso, na hora de decidir investir, siga uma estratégia de diversificação para mitigar o risco associado ao investimento.

Se houvesse uma fórmula mágica para investir em aplicações financeiras, estaríamos todos ricos. Infelizmente não há, mas isso não significa que não existam estratégias que mitiguem o risco associado aos investimentos. Uma delas consiste em diversificar a decisão sobre a alocação de ativos – repare que a expressão “alocação de ativos” já pressupõe uma estratégia de investimento assente na diversificação.

Mas em que consiste concretamente a estratégia de diversificação? Muito simplesmente, ao diversificar o seu investimento, está a investir em vários tipos de ativos, ou em ativos similares que operam em setores de atividade distintos.

Por exemplo, um portefólio de ativos em ações tecnológicas, em obrigações do Tesouro, em commodities e em imobiliário segue uma estratégia de diversificação. O contrário seria alocar todo o seu capital investido num só ativo.

A diversificação é, por isso,  uma estratégia de investimento que permite permite mitigar o risco do investimento, mas também de ajuda a fazer face à volatilidade, como explica o BiG – Banco de Investimento Global.

O risco pode ser definido como a probabilidade de perder (todo) o capital que investiu. Quanto maior a probabilidade de perder dinheiro associada ao investimento, regra geral, maior será o retorno financeiro.

Por isso, como refere o BiG, “investir sensatamente é procurar utilizar uma estratégia de planeamento financeiro que atenue a incerteza e o risco nos seus investimentos”, ou seja, para tal, será necessário diversificar.

Por sua vez, a volatilidade consiste na oscilação do valor dos ativos no mercado. Quanto maior a volatilidade, maior será a possibilidade de ocorrer aquela oscilação.

Para se precaver deste fenómeno, “a alocação de ativos tem um papel crucial no sucesso da estratégia de investimento, pois ajudar a [reduzí-la] no portefólio, quando nem todos os investimentos sobem ou descem, ao mesmo tempo”, aconselha o BiG.

A nortear a estratégia de diversificação devem estar três aspectos essenciais, todos eles igualmente importantes. Assim, tente apurar o seu perfil enquanto investidor. Ou seja, procure perceber qual a sua aversão ao risco. Depois, recolha a informação necessária sobre os ativos nos quais equaciona investir. Quanto mais informado estiver, menores são as hipóteses de ficar surpreendido. E, paralelamente, defina com clareza os seus objetivos financeiros, isto é, qual o retorno financeiro que pretende obter com os seus investimentos.

Relacionadas

O ‘efeito bola de neve’ dos juros compostos

Os juros compostos são juros somados ao capital ao fim de cada período de aplicação, formando com esta soma um novo capital. Não admira que até Einstein os reconheceu como a “maior força do universo”.

Saiba quais são as principais necessidades de financiamento para começar um negócio

No dia Nacional do Investidor, o Economize explica quais são as necessidades de financiamento para a sua empresa.

Imobiliário residencial mantém dinâmica de recuperação

Volume total de investimento no setor ultrapassou os 97 mil milhões de euros, com um aumento de 35% da atividade no primeiro semestre no país, estando reunidas as condições para que o clima se mantenha positivo no próximo ano.

PPR podem ser alternativa à segurança social

Benefícios fiscais são atrativo para subscrever os planos de poupança-reforma. Mas fundos PPR têm maior rentabilidade que os seguros PPR.

Quer investir as poupanças? Descubra o seu perfil de investidor

Antes de fazer qualquer investimento, conheça o seu perfil de investidor. Saiba o que é, para que serve e qual é o perfil que se adequa aos seus objetivos.
Recomendadas

Controlar despesas? Siga esta cinco estratégias

Organizar o orçamento familiar e analisar as despesas com maior peso mensal são dois passos essenciais para planificar a sua vida financeira. Conheça algumas estratégias e ferramentas para fazer frente à atual “avalanche” de aumento de preços e proteger a sua carteira.

Sabe se vai compensar mudar para o mercado regulado do gás? A Deco lança calculadora

Com esta calculadora, pode introduzir a quantidade de gás natural que habitualmente consome, consultando a última fatura, e indicar o número de dias a que essa fatura se refere. Basta depois copiar os dados da fatura para a calculadora e obtém, de imediato, o custo que teria em igual consumo e igual período de faturação no mercado regulado a partir de outubro.

Um senhorio pode aumentar a renda em mais de 50%? Saiba aqui

O aumento da renda da casa é uma das preocupações mais comuns e que, na verdade, resulta da subida da inflação. Mas, apesar de haver algumas exceções, dependendo de contrato para contrato, os senhorios têm de respeitar algumas regras para proceder ao aumento da renda.
Comentários