Ediprisma. Start-ups com gestão assistida a partir de 250 euros

A Ediprisma lançou um serviço de gestão assistida desenhado para fazer face às necessidades de negócio das start-ups. Os dois sócios da empresa, Margarida Ferreira e Bruno Rodrigues, estão a apresentar o conceito ao mercado com o objetivo de identificar potenciais clientes. A solução, à medida, custa a partir de 250 euros. “Prestamos apoio a empresas […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Ediprisma lançou um serviço de gestão assistida desenhado para fazer face às necessidades de negócio das start-ups. Os dois sócios da empresa, Margarida Ferreira e Bruno Rodrigues, estão a apresentar o conceito ao mercado com o objetivo de identificar potenciais clientes. A solução, à medida, custa a partir de 250 euros.

“Prestamos apoio a empresas existentes em Portugal madura ou em fase embrionária, como as start-ups que ganharam expressão no País nestes últimos anos”, explica Margarida Ferreira, founder & managing partner da Ediprisma – Gestão Assistida, em entrevista por e-mail ao OJE Digital.

Com a solução de placement de consultoria na área financeira da Ediprisma, os empreendedores podem, através de um apoio técnico pontual, ter consultoria especializada nas áreas mais críticas para a sustentabilidade do negócio, nomeadamente, ao nível financeiro, gestão estratégica e marketing, avança a empresa portuguesa.

Muitas novas empresas nascem, na sua maioria com conceitos e ideias de negócio muito interessantes, mas são poucas as que conseguem singrar e transformar-se em casos de sucesso, em parte devido à ausência de apoio e acompanhamento ao nível da gestão financeira e de marketing, explica Margarida Ferreira. A diretora-geral, assinala que “nosso serviço de gestão assistida permite a estes empreendedores concentrarem-se em amadurecer a sua ideia de negócio e entregar a consultores especializados toda a parte crítica de gestão, fundamental para a sustentabilidade e prosperidade económica do seu projeto”.

O novo serviço facilita o acesso a capacidades estratégicas para as quais as start-ups e outras empresas em início de atividade não tinham estrutura orçamental para acarretar, como gestores com experiência e capacidade de alavangagem do negócio, contribuindo para a alavancagem do negócio.

 

Como funciona

Através do serviço de gestão assistida, um técnico licenciado e especializado na sua área de atividade, colaborador da Ediprisma, trabalha diretamente na empresa que contrata o serviço.

O consultor colocado x horas por semana num cliente continua a ser colaborador da Ediprisma, mas passa a ser um recurso humano de quem contrata o serviço. “É um modelo de implante, se quiser chamar assim, que acreditamos pode ajudar a ultrapassar eventuais questões financeiras e a desenvolver soluções para que as empresas se mantenham, desenvolvam e expandam os seus serviços”, salienta a sócia. O objetivo, explica Margarida Ferreira, “é dar resposta às necessidades da empresa, de um modo muito mais eficiente, direto, e sem custos extras”.

O serviço de gestão assistida surgiu após uma viagem ao Brasil, na qual a Ediprisma constatou que as pequenas explorações de café têm o apoio técnico de engenheiros agrónomos, em part-time, mantendo-se como funcionários de uma empresa que acompanha o desempenho das respetivas funções.

 

A quem se destina

O público-alvo desta solução são as mais de 374 mil Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPME) portuguesas. Tendo em conta que a maioria das acabam por morrer no decorrer dos primeiros dois anos de atividade, o objetivo da Ediprisma é contribuir para inverter esta tendência.

“O que propomos e aconselhamos aos líderes dos novos projetos, tão importantes para o crescimento da nossa economia, é que se concentrem naquilo que são realmente bons – fazer crescer e amadurecer o seu projeto ou conceito de negócio – e entreguem a especialistas a gestão necessária para o projeto ser sustentável financeiramente e ter sucesso”, defende a gestora.

“O nosso modelo de negócio é uma solução e não um entrave ou problema”, ao possibilitar “o acesso a apoio técnico em regime part time, com custos muito menores que outras opções e sem sobrecarregar as despesas fixas destas novas organizações”, assevera.

 

Mecanismo do serviço

Após a identificação do potencial cliente, a Ediprisma faz um diagnóstico das principais necessidades do cliente ao nível da sustentabilidade financeira, política comercial, estratégia de marketing e gestão. Seguidamente, é avaliado o nível e tipologia de apoio que a empresa vai necessitar. Deste modo será alocado o consultor com o perfil ideal por um volume de horas pré-definido.

Margarida Ferreira adianta que não sendo um serviço padronizado, “podemos adiantar que, a partir de 250 euros por mês, qualquer empresa do mercado pode ter à sua disposição técnicos especializados, in house, que desenvolvem todo um trabalho de consultoria de gestão, contabilidade e finanças, marketing e comunicação”.

O serviço pode ainda abranger a identificação de formas de financiamento (bancário e não só), apoio ao nível dessa negociação, levantamento de fundos comunitários e nacionais disponíveis”.

A portuguesa Ediprisma foi fundada em 1981 e especializou-se na formação profissional de quadros de empresas e na formação do ensino universitário, bem como na consultoria.

 Mafalda Simões Monteiro/OJE

Recomendadas

‘Cyber Monday’ regressa e promete dominar os mercados

A tradição norte-americana tem lugar todos os anos na segunda-feira a seguir à Black Friday e 2022 não é exceção à regra.

PAN propõe incentivos para “representação equilibrada” de género nas empresas

A deputada única do PAN, Inês de Sousa Real, propõe a criação de incentivos à “representação equilibrada” de género nas administrações das sociedades comerciais de forma a “assegurar uma quota mínima” de mulheres “superior a 40%”.

Pré-acordo na Autoeuropa prevê aumento salarial de 5,2% já em dezembro

A Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa anunciou hoje um um pré-acordo com a administração da fábrica de automóveis de Palmela para um aumento extraordinário de 5,2% que anula o aumento de 2% previsto para 2023.