Cotrim Figueiredo e Pacheco Amorim rejeitados como vice-presidentes da AR. Edite Estrela e Adão Silva eleitos

A primeira ronda das eleições para a vice-presidência da Assembleia da República terminou com dois nomes eleitos (PS, PSD) e os nomes de Chega e IL chumbados.

Adão Silva, vice-presidente do grupo parlamentar do PSD | Flickr/PSD

A Assembleia da República votou e escolheu os novos vice presidentes do Parlamento: Edite Estrela do PS e Adão Silva do PSD.

Adão Silva foi eleito com 190 votos a favor e Edite Estrela com 159. Quanto aos restantes candidatos, Diogo Pacheco de Amorim teve apenas 35 votos a favor, 183 brancos e seis nulos e João Cotrim Figueiredo alcançou 108 votos a favor, 110 em branco e seis nulos.

Sobre o facto de Cotrim Figueiredo não ter sido eleito, o líder da bancada parlamentar da IL, Rodrigo Saraiva, lamentou que o Parlamento não tenha reconhecido o bom trabalho do líder liberal e recordou que na anterior legislatura Cotrim Figueiredo não teve faltas.

“Respeitamos a democracia, e não iremos reapresentar a candidatura do João nem de outro membro da IL”, disse Rodrigo Saraiva.

O mesmo não se aplica ao Chega que, em alternativa a Pacheco de Amorim, avançou com o nome de Mithá Ribeiro para a vice-presidência da Assembleia da República para a segunda volta das eleições à vice-presidência do Parlamento.

Relacionadas

“Acho que é uma derrota pessoal”, diz Cotrim Figueiredo sobre rejeição para vice da AR

O líder da Iniciativa Liberal refere que a sua não eleição para o cargo dá mais força ao partido para defender aquilo em que acredita. “Um cargo institucional não contribui diretamente para o projeto da Iniciativa Liberal”, realça.

Segunda proposta do Chega para vice presidência da AR chumbada

O nome de Mithá Ribeiro para vice-presidente da AR foi chumbado ainda que tenha conseguido mais dois votos do que Pacheco de Amorim.
Recomendadas

PSD: Joaquim Miranda Sarmento anuncia candidatura à liderança do grupo parlamentar

Miranda Sarmento, que foi presidente do Conselho Estratégico Nacional na direção de Rui Rio e coordenou a moção de estratégia de Luís Montenegro, adiantou três razões para esta candidatura, anunciada pouco depois de Paulo Mota Pinto ter comunicado que iria convocar eleições para a bancada para 12 de julho “a pedido” do novo presidente eleito.

BES/GES: Passos Coelho ouvido em tribunal durante cerca de duas horas

Passos Coelho chegou ao Campus da Justiça pelas 14h05 e avisou logo que não iria prestar declarações à entrada do tribunal por estar “um bocadinho atrasado”, uma vez que a sua audição estava agendada para as 14h00.

Aeroporto: PR exige consenso e responsabiliza Costa por escolha “mais ou menos feliz” da sua equipa

Numa declaração aos jornalistas no Palácio de Belém, em Lisboa, após a qual não respondeu a perguntas, o chefe de Estado assinalou que o despacho de quarta-feira do secretário de Estado das Infraestruturas, Hugo Santos Mendes, sobre esta matéria “já foi revogado ou irá ser revogado”.
Comentários