EDP cria comunidade nas Caldas da Rainha com energia solar para mais de 200 empresas e famílias

A EDP vai instalar “uma central solar com cerca de 1 MWp e mais de 1800 painéis solares em terrenos da autarquia e desta forma vai criar um Bairro Solar e fornecendo esta energia a negócios vizinhos”.

A EDP anunciou que “vai criar uma Comunidade de Energia nas Caldas da Rainha, que vai beneficiar com energia mais acessível mais de 200 empresas e famílias da cidade”.

Esta comunidade será constituída através “de uma parceria com a AIRO – Associação Empresarial da Região Oeste”, diz a EDP em comunicado.

A empresa de energia vai instalar “uma central solar com cerca de 1 MWp e mais de 1800 painéis solares em terrenos da autarquia e desta forma vai criar um Bairro Solar e fornecendo esta energia a negócios vizinhos”.

A EDP aponta, no comunicado, que “qualquer empresa que se situe dentro de um raio de quatro quilómetros da localização da central solar poderá aderir a este Bairro Solar e beneficiar de descontos entre 35% a 50% no preço mensal da sua energia”.

Existem empresas com prioridade no acesso ao Bairro Solar, nomeadamente a “empresas de pequena e média dimensão e àquelas que, por não terem espaço útil para instalar painéis solares, não podem beneficiar de outra forma desta energia limpa”.

Além disso, a EDP refere que “mais de 30 famílias vulneráveis estão também a ser identificadas pela autarquia, para serem beneficiárias desta comunidade”.

Recomendadas

Premium“Vamos continuar a trabalhar as duas marcas em separado”

Neves e Almeida e CEGOC vão trabalhar em autonomia e com equipas de gestão próprias, mantendo a identidade de cada marca.

Moçambique/Ataques: TotalEnergies pede avaliação a especialista humanitário

A petrolífera quer saber se há condições para retomar o projeto de exploração de gás que estava a construir na região.

CP alerta para perturbações na circulação entre 8 e 17 de fevereiro devido a greves

A empresa indicou também que a informação será atualização, caso venham a ser definidos serviços mínimos pelo Tribunal Arbitral.
Comentários