EDP diz que ainda não há data para encerrar central a carvão de Sines

A elétrica já anunciou que espera fechar a central de Sines “muito antes de 2030”, mas ainda não tem uma data definida. Governo de António Costa já disse que quer encerrar centrais a carvão do país até 2023.

A EDP diz que ainda não tem data para encerrar a central a carvão de Sines. O Governo já apontou a data de 2023 para o encerramento, mas a companhia diz que a central vai continuar a operar enquanto for rentável.

“A EDP não anunciou nenhuma data para o encerramento antecipado das suas centrais, incluindo Sines, que continuarão a funcionar enquanto a margem de mercado permitir recuperar os custos fixos”, disse fonte oficial da EDP ao Jornal Económico.

O ano de 2030 é a data limite para encerrar a central termoelétrica, que é importante para o abastecimento do sul do país. Mas ainda recentemente a EDP destacou que espera fechar as centrais ibéricas a carvão “muito antes de 2030”, segundo uma apresentação divulgada este mês.

A elétrica portuguesa destacou que “o valor de mercado das centrais elétricas a carvão sofreu uma redução, muito pela aceleração do processo de transição energética ao longo do último ano”, segundo a fonte oficial.

Por isso, anunciou no dia 19 de dezembro uma imparidade contabilística de cerca de 300 milhões devido à desvalorização das centrais em mercado devido a vários fatores como: aumento do preço das licenças de emissões de CO2, a redução dos preços do gás natural, o aumento das centrais de energias renováveis. A EDP também destaca que a “manutenção de uma elevada carga fiscal” sobre as centrais a carvão, assim “como uma vontade política de antecipação” dos prazos de encerramento, são outros dois fatores a ter em conta nesta questão.

O Jornal Económico questionou a EDP depois da TVI 24 ter avançado na sexta-feira que a elétrica estaria a preparar-se para fechar a central de Sines antes de 2023, o prazo definido pelo Governo. Já o ministério do Ambiente e da Transição Energética não quis fazer comentários.

A EDP volta assim a reafirmar que ainda não tem data para o encerramento da central de Sines, apesar do Governo insistir no prazo de 2023.

Ainda a 19 de dezembro, o administrador da EDP Rui Teixeira declarava que a central de Sines vai continuar a operar enquanto for rentável.

“Não estamos a anunciar o encerramento ou uma data de fim de vida. As centrais deverão continuar a funcionar até serem rentáveis”, afirmou o gestor em conferência de imprensa. “Já estamos a desenvolver trabalho em alternativas. Para que, quando chegue o momento, se perceba qual é a evolução dos ativos”, acrescentou.

“A central de Sines, em particular, tem estado parada muito tempo no segundo semestre de 2019 e as previsões, neste momento, são até para que no próximo mês continue parada durante muitas horas”, destacou Rui Teixeira.

Sines é essencial para o abastecimento de eletricidade no sul de Portugal

Outro alto responsável da EDP recusou em julho a ideia de um encerramento antecipado de Sines, apontando que a central é essencial para o abastecimento do sul do país.

“A nossa central de Sines até 2030 vai ser encerrada”, disse o administrador da EDP António Martins da Costa, citado pela Lusa, apontando que este encerramento tem de ser feito com cautela pois a central “garante a estabilização da rede elétrica em todo o país, e nomeadamente na zona sul”.

O gestor destacou que um encerramento antecipado da central iria obrigar Portugal a comprar mais eletricidade a Espanha, que teria de aumentar a produção das suas centrais a carvão, assim aumentando as emissões poluentes.

Mexia preocupado com futuro dos 400 trabalhadores

No início de novembro, o presidente executivo da EDP revelou “preocupação” pelo encerramento da central de Sines em 2023. “Não vou comentar nenhuma decisão sobre 2023”, afirmou o gestor, em declarações reproduzidas pelo jornal i.

O líder da elétrica também apontou que os 400 empregos da central são a “questão essencial” nesta questão. “Gostaríamos de arranjar solução para toda a gente. Agora, a central de Sines tem a vida que terá. Estamos preocupados e focados naquelas pessoas, tal como em todas as outras. As companhias só crescem à medida que vão criando oportunidades”, disse, segundo o i.

Governo anunciou este ano que quer fechar centrais a carvão mais cedo 

Na sua primeira legislatura, o Governo de António Costa tinha definido que as centrais a carvão em Portugal iriam encerrar até 2030. Mas, no dia da tomada de posse nesta legislatura em outubro, o primeiro-ministro anunciou que as duas centrais a carvão do país iriam encerrar até 2023.

Além da central de Sines, Portugal conta com a central a carvão do Pego, detida pela Tejo Energia, uma  parceria formada pela Trustenergy com 56,25% – detida pelos franceses da Engie e pelos japoneses da Marubeni -, e pela italo-espanhola Endesa com 43,75%.

Relacionadas

Centrais de Sines e do Pego são as que mais poluem Portugal

O terceiro lugar deste ranking é ocupado pela refinaria de petróleo de Sines. A indústria petrolífera regressa à lista na oitava posição, com o posto ocupado pela refinaria de petróleo do Porto.

EDP diz que não pode encerrar central termoelétrica de Sines antes de 2030

 O responsável pela Direção de Sustentabilidade do grupo EDP, António Martins Costa, garantiu hoje que a central termoelétrica de Sines será encerrada até 2030 mas recusou uma antecipação, porque é preciso “alguma cautela”.
Recomendadas

APAVT diz que é fundamental poder prorrogar pagamento de dívida contraída na pandemia

A Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) considera ser fundamental a possibilidade de prorrogar o pagamento do serviço da dívida contraída na pandemia, dado que os processos de recapitalização para as empresas não tiveram sucesso.

Governo dos Açores vai reconduzir atual presidente da SATA, Luís Rodrigues

O chefe do Governo dos Açores anunciou hoje que vai indigitar o atual presidente da SATA, Luís Rodrigues, para futuro presidente da holding, justificando a decisão com a importância da “estabilidade” associada à “competência” do responsável.

Oeiras cria fundo para ajudar comerciantes a recuperar dos estragos do mau-tempo

A Câmara de Oeiras vai criar um fundo, cujo valor será ainda determinado, para apoiar os comerciantes na sequência dos estragos provocados pelo mau tempo, adiantou hoje o presidente, acrescentando que a avaliação dos danos será feita na sexta-feira.
Comentários