EDP entre as 14 empresas do EuroStoxx 50 que distribuem dividendos na próxima semana

A EDP encontra-se a meio da tabela no ranking de dividend yield das 14 cotadas do EuroStoxx 50 que distribuem resultados aos acionistas na próxima semana.

O departamento de mercados acionistas do BCP publicou a listagem de todas as empresas do índice europeu EuroStoxx 50 que distribuem dividendos entre os dias 25 e 29 de abril. Ao todo 14 cotadas vão distribuir dividendos na próxima semana.

A portuguesa EDP está bem posicionada em termos de dividend yield (taxa que relaciona os dividendos distribuídos pela empresa e o preço das ações em bolsa).

Segundo as contas da MTrader, a empresa cotada com maior dividend yield é a francesa Engie, com 7%. Com uma capitalização bolsista de 29,24 mil milhões de euros, a francesa tem uma cotação de 12,16 euros (data de fecho de 21 de abril). O dividendo bruto que será distribuído é de 0,85 euros por ação.

A cotada com o segundo maior dividend yield é a Covivio, sociedade gestora imobiliária francesa, com 5%. O dividendo bruto é de 3,75 euros por ação e a capitalização bolsista é de 74,30 mil milhões de euros (cotação a 21 de abril de 6,91 euros).

Em terceiro lugar surge a CNP Assurances, também francesa, com um dividend yield de 4,6%. O dividendos bruto é de um euro por ação. A capitalização bolsista é de 14,97 mil milhões de euros (21,80 euros é a cotação ao fecho de 21 de abril).

Na quarta posição surge a companhia de seguros e resseguros alemã, com sede em Munique, a Muenchener Rueckversicherungs-Gesellschaft AG. O dividend yield é de 4,5% e o dividendo bruto é de 11 euros por ação. A capitalização bolsista da empresa alemã é de 33,05 mil milhões e a cotação no fecho de dia 21 estava em 243,50 euros por ação.

Em quinto lugar, o banco holandês ING Group com um dividend yield de 4,2%, sendo o dividendo bruto de 0,41 euros, com uma cotação de 9,86 euros e um market cap de 37,50 mil milhões de euros.

Em sexto lugar surge a portuguesa EDP, com um dividend yield de 4,1%. O dividendo bruto é de 0,19 euros e a cotação ao fecho de quinta-feira dia 21, estava em 4,62 euros. A capitalização bolsista da EDP, segundo esta análise, é de 18,33 mil milhões de euros.

A Proximus, maior das três empresas de telecomunicações móveis da Bélgica, surge em sétimo lugar com um dividend yield de 4%. O dividendo bruto é de 0,70 euros, a cotação é de 17,34 euros, e a capitalização bolsista de 5,82 mil milhões de euros.

Também a Nokian Renkaat surge na lista com um dividend yield de 4%, o que corresponde a um dividendo bruto de 0,55 euros, para uma cotação de 13,82 euros. A capitalização bolsista é de 1,83 mil milhões.

Depois há seis cotadas no EuroStoxx 50 que descontam dividendos na próxima semana cujo dividend yield ronda os 2%. É o caso da Vinci com um dividend yield de 2,4% (dividendo bruto de 2,25 euros). A cotação da empresa francesa era na quinta-feira de 94,65 euros (capitalização bolsista de 55,07 mil milhões).

A alemã GEA Group distribui dividendos na próxima semana, e o dividend yield é de 2,3%(dividendo bruto de 0,90 euros). A cotação é de 8,81 euros e o market cap de 6,85 mil milhões de euros.

Com um dividend yield de 2,2% há três a distribuírem dividendos para a semana: a espanhola Inditex (dividendo bruto de 0,47 euros, uma cotação de 21,09 euros e um market cap de 63,92 mil milhões); a belga Warehouses (dividendo bruto de 0,88 euros, uma cotação de 40,08 euros e um market cap de 7,18 mil milhões); e a RWE (dividendo bruto de 0,90 euros, uma cotação de 40,14 euros e um market cap de 26,79 mil milhões).

Por último a empresa do EuroStoxx 50 que na próxima semana distribui o dividendo com menor dividend yield (2,1%) é a francesa Vivendi (dividendo bruto de 0,25 euros, uma cotação de 11,77 euros e um market cap de 12,77 mil milhões).

Recomendadas

PremiumNovobanco tem como meta financiar 600 milhões de euros de dívida “verde” até 2024

A meta faz parte do Plano Estratégico do banco para 2024 e o Novobanco já tomou firme duas emissões de dívida da Sonae SGPS e Modelo Continente indexadas a indicadores ESG.

Govcoins são o futuro mas ameaçam negócio da banca

As moedas digitais dos bancos centrais podem trazer mais segurança nos pagamentos, mas também criar um problema de inclusão. E podem colocar em causa a viabilidade do sector financeiro.

Wall Street termina semana apenas com Nasdaq a negociar em terreno negativo

O aumento das taxas de juros , a alta inflação, a guerra na Ucrânia e a desaceleração da economia chinesa castigaram as ações e levantaram preocupações sobre uma possível recessão nos EUA.
Comentários