EDP fecha com sucesso operação de recompra de dívida

A EDP vai recomprar 332,9 milhões de dólares da emissão com maturidade em 2019, mais cerca de 167,06 milhões da emissão com maturidade em 2020.

A EDP anunciou em comunicado à CMVM que o operação de recompra de dívida de até 500 milhões de dólares em dívida está fechada, uma vez que já foram atingidos os montantes pretendidos.

“A EDP informa sobre os resultados relativos à Early Tender Date e sobre a contrapartida total  da oferta para aquisição em dinheiro de valores mobiliários representativos de dívida dirigido a titulares das emissões identificadas, limitado a um valor global máximo de 500.000.000 dólares, de acordo com uma determinada prioridade e com sujeição a determinados termos, condições e limites, melhor detalhados na respetiva Offer to Purchase (a Oferta)”.

O alvo da oferta eram duas emissões, uma com maturidade em Outubro de 2019, com uma taxa de cupão de 4,9% e que tem 969,46 milhões de dólares dispersos pelos investidores e outra de 750 milhões de dólares, que foi emitida com uma taxa de cupão de 4,125% e com maturidade em Janeiro de 2020.

A EDP vai recomprar 332,9 milhões de dólares da emissão cuja maturidade era atingida em 2019, mais cerca de 167,06 milhões da emissão com maturidade em 2020. Sendo que na primeira emissão, a empresa vai recomprar o valor total que os investidores disponibilizaram. Já no caso da dívida com maturidade em 2020, a EDP só recomprará 43,7% do valor disponível, uma vez que com estes dois valores atinge o limite de 500 milhões de dólares estipulado na oferta.

“Uma vez que a Oferta foi inteiramente subscrita na Early Tender Date, as ordens de aquisição dos titulares que sejam submetidas após a Early Tender Date não serão aceites. Quaisquer ordens de aquisição submetidas após a Early Tender Date, bem como quaisquer ordens submetidas na, ou previamente à, Early Tender Date mas que não tenham sido aceites para compra por parte da EDP serão devolvidas aos respetivos titulares, conforme descrito na Offer to Purchase”, lê-se no comunicado.

“A EDP aceitará na totalidade as ordens relativas às 2019 Notes validamente submetidas e que não tenham sido revogadas na, ou previamente à, Early Tender Date e aceitará as ordens relativas às 2020 Notes com um fator pro rata de 43,7074%, de modo a que o Tender Cap não seja ultrapassado”, diz o comunicado.

A EDP irá pagar juros agregados vencidos até, sem incluir, 15 de Dezembro de 2017, que é a data expectável de liquidação relativamente às ordens submetidas na (ou anteriormente à) Early Tender Date, explica a empresa.

Esta oferta enquadra-se nas iniciativas destinadas a optimizar a carteira de passivos da EDP e aumentar a maturidade média da sua dívida, utilizando liquidez disponível para reduzir o montante da dívida bruta”, explica o comunicado.

A EDP esclarece que a oferta não é dirigida direta nem indiretamente ao público em Portugal ou em circunstâncias que qualifiquem como oferta pública nos termos do Código dos Valores Mobiliários. No que respeita a titulares que sejam residentes, estejam localizados ou estabelecidos em Portugal, cada Oferta é feita somente a investidores institucionais (i.e qualificados) conforme definidos no artigo 30.º do Código dos Valores Mobiliários. Do mesmo modo, “nem este anúncio nem a Offer to Purchase, nem qualquer documento, circular ou material de oferta relacionado com a oferta foi ou será sujeito a aprovação por, ou registado junto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Adicionalmente, nem o presente anúncio nem a Offer to Purchase nem qualquer documento, circular ou material de oferta relacionado com a oferta foi ou será publicamente distribuído em Portugal e nenhuma atividade de publicidade ou marketing relacionada com a oferta foi ou será levada a cabo em Portugal.

 

Recomendadas

Sonaecom rasga acordo com Isabel dos Santos

“À Sonae passa a ser imputada uma participação na NOS de cerca de 36,8% do capital social e dos direitos de voto nessa sociedade”, detalha a empresa liderada por Cláudia Azevedo.

Toyota Caetano Portugal com lucros de 7,3 milhões no semestre

Em comunicado à CMVM, a Toyota Caetano Portugal diz que os resultados líquidos consolidados ascenderam a 7,3 milhões de euros, o que compara com 11,7 milhões em dezembro de 2021 e com 2,98 milhões em junho de 2021.

Fintech holandesa lança serviços financeiros para PME com Mollie Capital

As fintechs financeiras estão a olhar para pequenas e médias empresas em Portugal. Depois da Rauva, vem agora a Mollie Capital anunciar-se como “o primeiro fornecedor de serviços financeiros para PME”.
Comentários