EDP. Governo espanhol dá luz verde à compra da Viesgo

O negócio inclui 75% de uma rede de distribuição de eletricidade, 500 megawatts de energia renovável e duas centrais a carvão.

O Governo espanhol deu luz verde à compra da energética Viesgo pelo grupo EDP. A decisão foi tomada pelo executivo de Pedro Sanchéz no conselho de ministros que teve lugar na quarta-feira, 9 de dezembro.

“Acordo pelo qual se autoriza o investimento estrangeiro da sociedade Energias de Portugal nas sociedades Fresco International, Viesgo Produccion, Viesgo Renovables e Viesgo Europa”, pode-se ler no documento.

A companhia elétrica portuguesa anunciou a compra da Viesgo a 15 de julho, energética espanhola avaliada em 2,7 mil milhões de euros, com a EDP a investir um total de 900 milhões de euros para fechar esta aquisição.

A operação está dividida em três parte, conforme explicou a elétrica portuguesa na altura. Na primeira aquisição, a EDP comprou a rede de distribuição de eletricidade da Viesgo – localizada nas Astúrias e na Galiza – em parceria com a Macquarie Infrastructure and Real Assets (MIRA). A Viesgo Distribution registou um EBITDA de 320 milhões em 2019, e vai passar a ser detida em 75% pela EDP e em 25% pela MIRA.

A segunda, é que a EDP Renováveis (detida maioritariamente pelo grupo EDP) vai comprar 100% do negócio renovável da Viesgo, que conta com 24 centrais eólicas e duas centrais mini-hídricas em Portugal e Espanha. A empresa conta com uma capacidade instalada total de 500 megawatts (MW), e está avaliada em 565 milhões de euros.

A terceira parte é que a EDP também vai comprar as duas centrais a carvão da Viesgo na Andaluzia.

“Nos últimos nove meses, continuámos a executar o nosso plano estratégico com uma gestão proativa do portefólio, cujo objetivo é reforçar o perfil de baixo risco da EDP alinhado com a transição energética. Isto inclui o acordo para a compra da Viesgo”, disse o presidente executivo interino da EDP, Miguel Stilwell de Andrade, a 30 de outubro numa chamada com analistas.

A Comissão Europeia já tinha aprovado esta operação a 29 de outubro: “A Comissão concluiu que a aquisição proposta não levanta preocupações em matéria de concorrência, dado o seu impacto limitado nos mercados em causa”.

EDP anuncia compra da energética espanhola Viesgo

Relacionadas

Bruxelas dá ‘luz verde’ à compra do negócio de energias renováveis da Viesgo pela EDP

A Comissão Europeia deu hoje ‘luz verde’ à compra do negócio de energias renováveis da espanhola Viesgo pelo grupo da Energias de Portugal (EDP), considerando que a transação “não levanta preocupação em matéria de concorrência”.

Miguel Stilwell: “Sucesso do aumento de capital é ainda mais importante perante incerteza económica mundial”

A EDP anunciou hoje os resultados da operação de aumento de capital, com a procura a superar em 256% a oferta. Os dois maiores acionistas da EDP foram a jogo e mantiveram a sua participação inalterada.

EDP anuncia compra da energética espanhola Viesgo

A Viesgo está avaliada em 2,7 mil milhões de euros com a EDP a investir 900 milhões para fechar esta aquisição. Para financiar a compra a EDP vai realizar um aumento de capital de mil milhões, com esta operação a ser lançada “assim que seja possível”.

Moody’s diz que a compra da Viesgo é “moderadamente positiva” para a EDP

A agência também aponta que o negócio tem um “impacto neutro no perfil financeiro da EDP dado o financiamento parcial através” do aumento de capital. A Mooyd’s mantém inalterado o rating da elétrica com perspetiva estável.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

TAP: Sitava diz que falta “sensibilidade e bom senso” à gestão no caso da frota de carros

O Sitava acusou hoje a TAP de falta de “sensibilidade e bom senso”, na polémica sobre a renovação dos carros para administradores, e pediu que a empresa demonstre que não tem dualidade de critérios no cumprimento de contratos.

Fidelidade reforça posição na seguradora peruana La Positiva para 93,9%

Na sequência de uma OPA, a Fidelidade passou a controlar 93,9% da seguradora e para isso faz um investimento de 396,3 milhões de soles, o equivalente a cerca de 101,2 milhões de euros.
Comentários