EDP lança o segundo módulo do programa Energy Starter 2022

“Este programa pretende acelerar o desenvolvimento de soluções inovadoras que contribuam para a transição energética”, diz a empresa em comunicado.

A EDP procura soluções inovadoras em energias renováveis e no hidrogénio verde. Em comunicado, a empresa anuncia que acaba de lançar o segundo módulo do Energy Starter 2022, o programa de inovação colaborativa criado com a missão de apresentar startups e empresas tecnológicas em rápido crescimento a especialistas da EDP de todo o mundo.

“Este programa pretende acelerar o desenvolvimento de soluções inovadoras que contribuam para a transição energética”, diz a EDP. “Na segunda fase desta edição, podem inscrever-se até 30 de setembro projetos com soluções inovadoras que possam ser aplicadas às diferentes energias renováveis, tecnologias em que a EDP é líder a nível global, com cerca de 20GW instalados e com o objetivo de duplicar essa capacidade até 2025”.

“As startups podem também apresentar soluções que contribuam para o desenvolvimento do hidrogénio verde, uma tecnologia em rápido crescimento e onde a EDP também se posicionou, com o desenvolvimento de projetos nas suas principais geografias. Nesta área, a EDP pretende investir em projetos que garantam mais 1.5 GW de capacidade até 2030”, refere a empresa liderada por Miguel Stilwell.

A EDP indica que “através de uma abordagem composta por três fases, a sétima edição do Energy Starter foca-se em três áreas-chave no panorama da transição energética. O primeiro módulo focou-se nas Redes Energéticas do Futuro e teve como objetivo alavancar a infraestrutura de redes de distribuição de energia com soluções inovadoras”.

Em 2023, será realizado o terceiro e último módulo desta edição, que se centrará em Soluções para Clientes, que possam ajudar o seu processo de descarbonização, avança a elétrica.

“As candidaturas para esta segunda fase podem ser entregues até 30 de setembro, no site do programa. Após o processo de avaliação, as selecionadas participarão num bootcamp em Houston, nos Estados Unidos, onde, em conjunto com os especialistas da EDP e da EDP Renováveis, poderão desenvolver as suas ideias e trabalhar em projetos-piloto”, refere o comunicado.

“Nesta fase, terão ainda acesso a um conjunto vasto de mentores e especialistas que os ajudarão a desenvolver os seus negócios. No final desta edição do Energy Starter, as startups terão a oportunidade de testar a sua solução no setor energético, em parceria com a EDP, nas diferentes geografias em que o grupo está presente”, adianta.

Ao longo das seis edições já realizadas, mais de 150 startups participaram no Energy Starter, tendo realizado mais de 80 negócios (pilotos, rollouts e investimentos). Na última edição, o programa recebeu mais de 700 candidaturas.

“Desenvolver e encontrar soluções inovadoras para o setor energético tem sido um pilar do grupo EDP que, até 2025, pretende investir mil milhões de euros em inovação. A EDP tem equipas dedicadas a Startup Engagement e Ventures em alguns dos seus principais mercados e dedica-se ao desenvolvimento de Inovação Aberta, fazendo parte do seu ecossistema de inovação dezenas de startups, parceiros académicos, entre outros”, lê-se no comunicado.

Recomendadas

“Sem CV e baseada no talento”. Accor lança campanha de recrutamento em Lisboa

A campanha ‘Carreiras para Talentos’ decorre no dia 11 de outubro, no Sofitel Lisbon Liberdade, das 09h00 às 18h00. Estão disponíveis vagas para posições de hotelaria e restauração em sete hotéis da área metropolitana de Lisboa – ibis, Mercure, Novotel e Sofitel.

TAP: SINTAC defende “revisão profunda” da política de atribuição de carros de serviço

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC) considerou hoje que suspender a aquisição de 50 carros para altos cargos da TAP foi a “atitude certa” e defendeu uma “revisão profunda” da política de atribuição de viaturas de serviço.

IGCP realiza na quarta-feira leilões de dívida a três e nove anos de até 1.000 milhões de euros

O IGCP anunciou hoje que vai realizar em 12 de outubro dois leilões de Obrigações do Tesouro (OT) a três e nove anos com montante indicativo entre 750 e 1.000 milhões de euros.
Comentários