EDP procura startups mais inovadoras na área da energia

Elétrica lança a 7ª edição do Free Electrons em busca de startups inovadoras. Candidaturas decorrem até 28 de janeiro.

A EDP, em parceria com grandes empresas globais de energia, lança a 7ª edição do Free Electrons, o maior programa mundial de inovação aberta no setor energético. A fase de candidaturas decorre até 28 de janeiro de 2023.

O programa tem como objetivo encontrar startups de qualquer país com soluções e tecnologias inovadoras que contribuam para acelerar a transição energética de forma a permitir um planeta mais sustentável.

Ao longo do próximo ano, os responsáveis pelos projetos selecionados terão oportunidade de interagir com alguns dos maiores especialistas do sector e apresentar as suas inovações em vários módulos e grupos de trabalho em diferentes geografias.

O Free Electrons é um programa global de inovação aberta e colaborativa entre startups e líderes mundiais do sector da energia. Nos últimos cinco anos investiu para cima de 37 milhões de euros em projetos-piloto que participaram na iniciativa e puderam, desta forma, ver escalar a sua ideia de negócio.

 

Recomendadas

Terminal de carga e granéis de Leixões bate recorde de toneladas em 2022

O terminal aponta como previsão “manter este ritmo de crescimento, tendo recentemente investido em novos equipamentos portuários e no aumento da sua capacidade de armazenagem, permitindo continuar a aumentar a sua capacidade de movimentação de cargas em terminal”, segundo o grupo ETE.

Grupo CaixaBank reforça participação na Sonae SGPS para 5%

Em comunicado ao mercado a Sonae SGPS deu conta que a Critéria Caixa a informou, esta terça-feira, que reforçou a participação acionista de 2,001% para 5,001%.

Ligações ferroviárias de Lisboa a Corunha e Madrid entre projetos apoiados pela UE

O executivo comunitário anunciou hoje que escolheu 10 projetos-piloto que apoiará para estabelecer novos serviços ferroviários ou melhorar os já existentes, apontando que, no seu conjunto, “irão melhorar as ligações ferroviárias transfronteiriças em toda a União Europeia, tornando-as mais rápidas, mais frequentes e mais acessíveis”.
Comentários