EDP Renováveis assegura contrato em leilão eólico na Grécia

O projeto, localizado na região central do país helénico, deverá entrar em operação em 2022.

A EDP Renováveis garantiu um projeto eólico para os próximos 20 anos na Grécia, após um leilão de energia grego, para a venda de geração eólica produzida pelo parque Xironomi com 33 MW de capacidade, anunciou a empresa elétrica portuguesa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esta quarta-feira, 18 de dezembro.

O projeto, localizado na região central do país helénico, deverá entrar em operação em 2022 e com este novo contrato, que “representa 13% da capacidade total do leilão, a EDPR reforça a sua presença na Grécia com c.120 MW previstos para entrar em operação entre 2020 e 2022 no país, um novo mercado com um desenvolvimento sustentável do seu recurso de energia renovável”, indica o comunicado.

A empresa portuguesa tem atualmente assegurado 70% dos 7,0 GW de capacidade build-out eólica e solar prevista para o período de 2019-2022, conforme anunciado no strategic update de março de 2019.

No comunicado, a EDP informa também que “continua a analisar oportunidades de crescimento, enquanto desenvolve projectos rentáveis
focados em países com perfil de baixo risco e estabilidade regulatória”.

Recomendadas

A Mobilidade elétrica acelera a descarbonização das empresas

Na sua definição mais simples, descarbonizar significa “tirar carbono a”. E no caso da energia, significa que cada vez mais, queremos trocar as energias fósseis, que emitem gases de efeito estufa, por mais energias verdes, renováveis.

CGD vai continuar com uma posição de capital acima da média da Europa, diz Paulo Macedo

O presidente da Comissão Executiva da CGD disse hoje que o banco vai continuar com uma das maiores redes de agências e com uma posição de capital acima da média da Europa e acima dos bancos portugueses.

Alliance Healthcare tem um novo CEO

Paulo Clímaco Lilaia é o novo CEO da Alliance Healthcare, anunciou a empresa que  armazena e distribui produtos farmacêuticos, em comunicado.
Comentários