EDP Renováveis financia-se em 328 milhões de euros nos EUA

A filial americana da cotada liderada por Manso Neto anunciou ter assegurado um financiamento de “tax equity” nos Estados Unidos junto do Bank of America Merril Lynch e do Bank of New York Mellon.

A EDP Renováveis comunicou esta manhã à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) ter conseguido assegurar um financiamento de “tax equity” no valor de 343 milhões de dólares (328,3 milhões de euros à cotação actual) nos Estados Unidos.

“Com a conclusão desta transacção a EDPR alcançou, em Dezembro de 2016, um financiamento total de 457 milhões de dólares (437,5 milhões de euros) para o total de 429 MW, relativos a todos os projectos de 2016, os quais se encontram actualmente em operação. O sucesso da EDPR na execução de estructuras de “tax equity” permite uma utilização eficiente dos benefícios fiscais a serem gerados pelos projectos”, pode ler-se no comunicado.

A empresa realça também que tem como objectivo para o período compreendido entre 2016 e 2020 instalar 1,8 GW nos Estados Unidos, sendo que 1,1 GW já estão enquadrados por contratos de venda de longo prazo.

Os títulos da EDP Renováveis valorizam 1,41% para os 5,9610 euros.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários