EDP Renováveis ganha contrato de aquisição de 400 MW de eólica ‘offshore’ nos EUA

Num comunicado à CMVM a EDP Renováveis refere que estes 400 MW de Contrato de Aquisição de Energia (CAE), através da Mayflower Wind Energy LLC, vêm juntar-se aos 804 MW já assegurados e anunciados em outubro de 2019.

“Mostrámos que é possível explorar vento em locais que seriam inacessíveis”, disse o diretor do projeto, José Pinheiro

A Ocean Winds, detida pela EDP Renováveis e a Engie, assegurou um contrato de aquisição de energia a 20 anos para 400 MW nos Estados Unidos para fornecer energia eólica ‘offshore’ limpa a Massachusetts, anunciou a empresa.

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDP Renováveis refere que estes 400 MW de Contrato de Aquisição de Energia (CAE), através da Mayflower Wind Energy LLC, vêm juntar-se aos 804 MW já assegurados e anunciados em outubro de 2019.

No total, a Mayflower – uma ‘joint-venture’ atualmente detida em 50% pela Ocean Winds (OW) e pela Shell New Energies US LL, tem agora 1.204 MW de capacidade assegurada.

Na informação enviada ao mercado, a empresa refere que com este anúncio a EDP “aumenta a sua visibilidade no crescimento de eólico ‘offshore’ (no mar) com 0,5 GW de capacidade em operação e 3,5 GW de capacidade assegurada a ser instalada” e como consequência, amplifica e diversifica ” as opções de crescimento rentável a longo-prazo da EDP mantendo também um perfil de risco balanceado”.

Em julho de 2020, a EDP Renováveis e a francesa Engie anunaciaram o lançamento de uma nova sociedade, a Ocean Winds, controlada em partes iguais pelos dois grupos (50%/50%).

“A nova sociedade, sediada em Madrid, será o instrumento exclusivo de investimento em oportunidades de energia eólica ‘offshore’ a nível mundial e é a primeira marca a ser criada com recurso ao som do vento em mar alto” lê-se num comunicado então divulgado.

Esta ‘joint-venture’, no setor da energia eólica fixa e flutuante, “será o instrumento de investimento exclusivo para captar as oportunidades de energia eólica ‘offshore’ a nível mundial e irá tornar-se num dos cinco principais operadores mundiais, ao combinar a capacidade industrial e de desenvolvimento da EDP Renováveis e da Engie”, asseguraram os dois grupos, no comunicado.

A empresa tem como objetivo os “mercados da Europa, Estados Unidos e algumas regiões da Ásia, de onde deverá vir a maioria do crescimento”, referiam então as duas acionistas.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários