EDP Renováveis garante contrato de 307 MW em leilão polaco de energia renovável

Este novo contrato de longo prazo reforça a presença da EDPR na Polónia, atingindo em 2022 um portfólio de mais de 750 MW de capacidade eólica instalada no país.

A EDP Renováveis garantiu esta quinta-feira um contrato de 15 anos para 307 MW no leilão polaco de energia renovável, de acordo com informação publicada através da CMVM.

Este contrato para venda de eletricidade diz respeito a energia que vai produzida num portfólio de onze projetos de energia eólica onshore, sendo que a instalação dos parques eólicos está prevista para 2021 e 2022.

Este novo contrato de longo prazo reforça a presença da EDPR na Polónia, atingindo em 2022 um portfólio de mais de 750 MW de capacidade eólica instalada no país.

“A energia eólica é uma parte essencial da transição energética global, impulsionando o crescimento e aumento da competitividade. Atualmente, a EDPR tem assegurado 74% dos ~7,0 GW de capacidade build-out eólica e solar prevista para o período de 2019-2022, conforme anunciado no Strategic Update de março de 2019, e continuará a analisar e desenvolver projetos rentáveis”, destaca a EDP Renováveis no comunicado.

Recomendadas

Black Friday faz volume de pagamentos com Ifthenpay aumentar 18% em novembro

A Ifthenpay, empresa portuguesa especializada e líder de mercado em pagamentos digitais para empresas, anunciou que registou um crescimento de mais 18% ao longo do mês de novembro na movimentação financeira através dos seus pagamentos digitais (+95,5 milhões de euros), e por comparação com período homólogo do ano anterior.

BPI distribui presentes de Natal a crianças no país

A edição de 2022 deverá mobilizar milhares de pessoas – entre trabalhadores sociais, voluntários, colaboradores e clientes do banco – para realizar os desejos de crianças apoiadas por instituições sociais que lutam contra a pobreza infantil em todo o país.

Exigir participação de mulheres em conferências é o novo grito pela igualdade

O BNP Paribas Portugal assumiu o compromisso de garantir 40% de mulheres no Comité Executivo do Banco e no G100 até 2025 e de não participar em conferências em cujos painéis não estejam mulheres. Acordo com movimento francês Jamais Sans Elles foi oficializado no dia 10 de novembro.
Comentários