Educar para a importância do solo na vida humana

A Universidade do Minho assinala esta quinta-feira, 5 de dezembro, o Dia Mundial do Solo, com uma exposição aberta ao público sobre a vida que existe debaixo dos nossos pés.

O Departamento de Biologia da Universidade do Minho abre esta quinta-feira as suas portas a uma autêntica aula sobre a importância do solo na vida humana na forma de exposição. Esta “aula” tem a forma de uma exposição sobre a vida que existe debaixo dos nossos pés e assinala o Dia Mundial do Solo.

A mostra está aberta ao público e permite aos visitantes tocar e ver, incluíndo ao microscópio, a diversidade de organismos existentes no solo. Pode ainda observar-se, através da estrutura transparente Rhizotron, raízes de plantas vivas no seu solo e analisar os diferentes horizontes superficiais do solo através de cilindros de solo. Ou saber que, a cada cinco segundos, o equivalente a um campo de futebol de solo do planeta fica seco, degradado e sem estrutura.

Em destaque estará uma investigação do Centro de Biologia Molecular e Ambiental sobre nemátodes, os animais microscópicos mais abundantes e com muitas funções em processos-chave nos ecossistemas terrestres.  A sua presença permite perceber, por exemplo, se um determinado lugar  está poluído, adubado em demasia ou, por outro lado, se mantém boas condições para o crescimento de plantas.

O Dia Mundial do Solo é organizado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) com o objetivo de promover a sustentabilidade dos recursos limitados do solo. A efeméride visa também sensibilizar para a desertificação, degradação e seca dos solos.

 

 

Recomendadas

Três praias de Oeiras interditadas a banhos

As praias de Caxias, Santo Amaro de Oeiras e Paço de Arcos foram interditadas a banhos, desde sexta-feira, depois das análises à qualidade da água revelarem valores microbiológicos acima dos parâmetros de referência, revelou hoje a Autoridade Marítima Nacional.

António Almeida-Dias: “Ao contrário do ensino superior estatal, não pedimos dinheiro ao Governo”

Presidente da APESP defende que Portugal tem muito a ganhar com um ensino superior privado que usufrua da autonomia e liberdade consagradas na Constituição e que o Estado limita. O setor privado da economia já demonstrou ser o motor da inovação e do progresso, diz.

IPLeiria constrói cinco residências e renova sete num investimento de 25 milhões do PRR

Com este investimento, o Politécnico vai assegurar residências de estudantes em todas as cidades onde conta com oferta formativa, nomeadamente em Leiria, Caldas da Rainha, Peniche, Marinha Grande, Pombal e Torres Vedras.
Comentários