Efacec: Trabalhadores cumprem nova greve para exigir intervenção do Governo na empresa (com áudio)

Os trabalhadores da Efacec voltam hoje a parar durante duas horas, entre as 14:00 e as 16:00, para exigir ao Governo a compra de matérias-primas e a demissão da administração e contestar a reprivatização da empresa.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Norte (Site-Norte), à semelhança do que já aconteceu nas greves dos passados dias 10 e 30 de novembro, os trabalhadores irão concentrar-se na portaria principal da sede da Efacec, no polo da Arroteia, em São Mamede de Infesta, Matosinhos.

Na concentração participará a secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha, e o coordenador da Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Química, Farmacêutica, Elétrica, Energia e Minas (Fiequimetal), Rogério Silva.

Para o dia 16 de dezembro está prevista uma nova greve de duas horas, também entre as 14:00 e as 16:00.

Os protestos surgem na sequência de paragens forçadas de vários setores da empresa denunciadas pelo sindicato, segundo o qual a Efacec tem visto a capacidade de produção comprometida devido à falta de liquidez para adquirir matérias-primas e pagar a fornecedores.

O Site-Norte tem vindo a reclamar a intervenção do Governo, enquanto “dono da Efacec”, para garantir que esta dispõe das matérias-primas necessárias para retomar a atividade com normalidade.

“O Estado, como dono da empresa, deve assumir o controlo da empresa com transparência e deve comprar matérias-primas para pôr a Efacec a trabalhar e a satisfazer as encomendas que tem em carteira”, defendeu Miguel Moreira, em declarações à agência Lusa.

De acordo com o dirigente sindical, a “falta de dinheiro para pagar aos fornecedores e para comprar matérias-primas é uma situação recorrente na Efacec, que se vem arrastando há muito tempo, mas nos últimos meses agravou-se”, levando à paragem de vários setores da empresa.

O sindicato garante que a greve de 30 de novembro registou uma “adesão maciça”, obrigando à paragem da produção, mas a empresa assegurou que só aderiu ao protesto “8% do total” de funcionários.

Num comunicado então divulgado, a administração da Efacec afirmou que a empresa, “à semelhança de todo o tecido empresarial, também tem sentido o impacto global em todos os setores e áreas, devido à disrupção nas cadeias de abastecimento causada pela pandemia”, mas garantiu que “a produção mantém um ritmo variável, dependendo das encomendas que tem em curso”.

“A atividade comercial e a escolha dos nossos clientes são a prova evidente, assim como as receitas do grupo que serão superiores a centenas de milhões de euros”, sustentou, salientando que “nenhuma empresa parada conquista novos clientes e tem receitas desta ordem de grandeza”.

O Governo pretende que o processo de reprivatização dos 71,73% do capital social da Efacec atualmente nas mãos do Estado esteja concluído até ao final do ano, sendo que o grupo português DST SGPS foi o único a apresentar uma proposta final de compra, segundo anunciou recentemente a Parpública.

“Espero que possamos tomar uma decisão ainda antes do fim do ano”, afirmou no passado dia 02 o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital.

Em declaraçaões aos jornalistas no Ministério da Economia, Pedro Siza Vieira considerou que a empresa precisa “muito rapidamente” de uma decisão, recordando que o calendário de privatização previa que a decisão tivesse sido tomada no primeiro trimestre deste ano.

“Tínhamos um plano de tesouraria para esse período, disponibilizámos recursos para aquele período”, prosseguiu, sendo que a demora no processo vai levar a “arranjar algum financiamento adicional até ao fecho da transação”, acrescentou.

A entrada do Estado na Efacec decorreu da saída de Isabel dos Santos, filha do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos, da esfera acionista, na sequência do envolvimento no caso ‘Luanda Leaks’, no qual o Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação revelou mais de 715 mil ficheiros que detalham alegados esquemas financeiros da empresária.

Recomendadas

El Corte Inglés contrata mais de 500 colaboradores para o Natal

“Para além deste período de Natal, há ainda possibilidade de permanecerem em contratos futuros, tal como tem acontecido em anos anteriores”, garante a empresa.

Bosch Industry Consulting abre escritório em Espanha

As operações da Bosch Industry Consulting em Espanha irão beneficiar da existência do centro de competências da Bosch em Aveiro.

EDP Brasil emite papel comercial no valor de 292 milhões de euros para amortizar dívida ao BNDES

O objetivo da emissão é realizar o pagamento antecipado da dívida com o Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social – BNDES, no montante aproximado de 470 milhões de reais e distribuir o restante ao acionista, diz a empresa.
Comentários