Efanor fica com 92,3% da Sonae Capital e 86,2% da Sonae Indústria após as OPA

A Efanor informou à Euronext que quer proceder à aquisição potestativa das ações que não foram adquirida nas OPA e que se as condições para isso não acontecerem, “pretende promover a perda de qualidade de sociedade aberta”. Se nenhuma das situação se verificar as serão excluídas de negociação do mercado regulamentado. Para já, a Sonae Capital sai do PSI 20 a 30 de outubro.

A Efanor, a holding da familia Azevedo, aumentou a participação na Sonae Capital para 92,3% e na Sonae Indústria para 86,2%, segundo os resultados das Ofertas Públicas de Aquisição, informou a Euronext Lisbon esta quarta-feira.

Em ambos os casos, a Efanor informou a Euronext que quer proceder à aquisição potestativa das ações que não foram adquirida nas OPA e que se as condições para isso não acontecerem, “pretende promover a perda de qualidade de sociedade aberta”.

“Caso nenhuma destas situações se verifique, as ações serão excluídas de negociação do mercado regulamentado”, adiantou a Euronext. Em comunicado separado, a Euronext informou que, na sequência dos resultados da OPA, a Sonae Capital será excluída do índice PSI 20 a partir de 30 outubro.

A holding da família Azevedo ofereceu a 31 de julho 1,14 euros por ação no caso da Sonae Indústria e de 0,70 euros por ação na oferta sobre a Sonae Capital. No caso da Sonae Capital, a contrapartida foi aumentada, a 21 de outubro, em 10% para 0,77 euros por ação.

Nas duas ofertas, o sucesso das duas operações estava condicionado à aquisição de 90% do capital de e mais de 90% dos direitos de voto.

No caso da Sonae Capital, a Efanor adquiriu um total de 62,34 milhões de ações para aumentar a participação de 67,357% para 92,3%, mas a Euronext informou que “não foram adquiridas as ações necessárias para atingir os 90% dos direitos de votos abrangidos na Oferta”.  A holding comprou 5, 47 milhões de ações para aumentar a participação de 74,17% para 86,223%.

A Efanor é detida em partes iguais de 25,1% pelos três filhos de Belmiro Azevedo, (Claúdia, Paulo e Nuno Duarte) com a os restantes 20% dividos em partes iguais entre a viúva do empresário, Maria Margarida de Azevedo e a Fundação Belmiro Azevedo.

A holding detém uma participação de 52,90% no Grupo Sonae.

Relacionadas

Revisão do preço da OPA não altera parecer positivo da Sonae Capital ao preço da oferta

Esta semana a Efanor, ‘holding’ da família Azevedo, reviu em alta de 10% a contrapartida na Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Sonae Capital. A administração considera o preço adequado e que os acionistas devem vender na OPA.

Família Azevedo aumenta o preço da OPA sobre a Sonae Capital em 10%

A Efanor, holding da família Azevedo, reviu em alta o preço da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Sonae Capital. Paga agora 77 cêntimos em vez dos anteriores 70 cêntimos. Esta OPA sobre a Sonae Capital decorre em simultâneo com uma oferta sobre a Sonae Indústria. O Grupo Sonae quer retirar ambas de bolsa.

Efanor lança OPA sobre Sonae Indústria e Sonae Capital

Holding da família Azevedo lançou uma OPA sobre a Sonae Indústria, onde já controla 68,8% do capital da empresa, e uma OPA sobre a Sonae Capital, para adquirir os cerca de 37% que ainda não detém. O sucesso da operação está condicionado à aquisição de mais de 90% dos direitos de voto em ambas as empresas e o objetivo é retirar as duas cotadas da bolsa.
Recomendadas

Três milhões de passageiros com voos cancelados ou atrasados entre maio e agosto

Durante este período, em todos os aeroportos portugueses existiu algum tipo de congestionamento em voos (atrasos ou cancelamentos revela a análise da Airhelp.

Associação de Capital de Risco elogia programa “Consolidar” por ser de capital e não de dívida

Luís Santos Carvalho, presidente da APCRI, elogia o facto de “neste programa não haver dívida, nem garantias: é tudo capital para investir em empresas”. O Programa “Consolidar” mobiliza 752 milhões para fomentar a consolidação de PME.

BEI e Santander apoiam PME em Portugal com 820 milhões de euros

O Santander Portugal adianta que o acordo com o BEI poderá abranger mais de 3.000 pequenas e médias empresas (PME) e empresas de média capitalização.
Comentários