PremiumEfapel vai crescer 20%

Américo Duarte, líder da empresa nacional produtora de aparelhagem para instalações elétricas, prevê que a faturação ronde os 52,7 milhões de euros durante o presente ano. As exportações valem 30% das vendas e a Itália será a próxima aposta da unidade de Serpins.

A Efapel, empresa portuguesa que fabrica produtos de aparelhagem para instalações elétricas, tomadas, interruptores, calhas técnicas e quadros elétricos, entre outros, prevê crescer em cerca de 20% o volume de negócios este ano, para cerca de 52,7 milhões de euros. Localizada em Serpins, na serra da Lousã, a empresa liderada por Américo Duarte encerrou o exercício de 2020 com uma faturação de 43,9 milhões de euros, o que já havia representado uma subida a rondar os 5% face ao ano de 2019.

“Este ano subimos quer no mercado nacional, quer nas exportações, que valem cerca de 31% das nossas vendas”, explica Américo Duarte, em entrevista exclusiva ao Jornal Económico.

“Espanha é o nosso mercado estrela, onde a Efapel está a crescer a um ritmo superior ao mercado nacional desde há cerca de dez anos. Temos atualmente uma quota de mercado de cerca de 50% em Espanha. É um mercado que tem potencial de crescimento e que é cerca de seis vezes superior ao mercado nacional”, afirma Duarte, que também é o maior acionista da empresa.

“A nossa participação no mercado de Espanha vai aumentar com o incremento das vendas, que terá um crescimento maior do que na média geral dos mercados onde estamos presentes. Em Espanha temos uma sucursal, em Vigo, aliás, como em França, nos arredores de Paris, St Germain-en-Laye, na região em que a Efapel considerou ter mais condições de sucesso”, acrescenta.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Empresas reafirmam investimento contra riscos cibernéticos

A cibersegurança é uma prioridade para as empresas. O reforço do investimento na proteção de contra ataques mantém-se apesar da conjuntura atual marcada pela subida dos custos. 

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.

Tecnológica portuguesa Innowave compra Cycloid

Desde 2018 que o grupo tem uma forte estratégia de M&A. “Esta aquisição é mais um passo na nossa estratégia de crescimento, materializada também na criação de centros de competência em Portugal, como é o caso de Lisboa, Porto, Coimbra, Faro e Beja”, afirmou o CEO da Innowave, Tiago Gonçalves.
Comentários