Efisa na mira do Banco Económico

Antigo BES Angola foi uma das entidades que pediram informações sobre o Efisa, o banco de investimento do BPN, que vai ser privatizado.

O Banco Económico, ex-BES Angola, pretende ter uma presença em Portugal, através da abertura de uma sucursal ou da compra de uma instituição que tenha licença bancária para operar no nosso país, apurou o Jornal Económico. Com este objetivo, a instituição angolana tem mantido contactos com o supervisor português e pediu informações sobre o Banco Efisa, cujo processo de venda está a ser relançado.

Ao que o Jornal Económico apurou, o tema está ainda em análise e não há ainda uma decisão de investimento por parte do banco angolano.

O Banco Económico, antigo BES Angola (BESA), é uma das principais instituições financeiras daquele país africano de língua portuguesa. Após a resolução do BES, em agosto de 2014, a instituição angolana foi intervencionada, mudou de nome e passou a ser controlada por grupos locais, nomeadamente a Lektron Capital (30,9%), a GENI (19,9%) e a Sonangol (7,4%). Apesar de ter perdido o controlo, o Novo Banco, que herdou os ativos “saudáveis” do antigo BES, permanece como acionista do banco angolano, com 9,72% do capital.

O banco que pertence à holding pública Parparticipações contratou os assessores financeiros e jurídicos – KPMG e António Macedo Vitorino e Associados – para apoiarem o processo de venda do Efisa nas diferentes fases. O processo atrasou-se por se tratar de um concurso público e deverá ser iniciada a fase das propostas non-binding (não vinculativas) no próximo mês de janeiro, soube o Jornal Económico.

Tal como o Jornal Económico noticiou em setembro último, a privatização do Efisa, banco de investimento do nacionalizado BPN, está a ser relançada, após o fracasso da primeira tentativa de alienação, à Pivot, sociedade detida pela gestora de fundos Aethel Partners. A operação está a ser conduzida pela holding estatal que ficou com os ativos do BPN, nacionalizado em 2008.Isto depois de o Governo ter dado luz verde, no fim de agosto, à reabertura do processo de privatização do Banco Efisa.

A Pivot, sociedade que venceu em 2015 o primeiro concurso de privatização, propunha-se a pagar 38,27 milhões de euros pelo Efisa. Este valor foi calculado assumindo um capital próprio refletido no balanço final (à data da transmissão) de 52,29 milhões de euros. Hoje, o preço será ajustado em baixa, porque os capitais próprios têm vindo a cair.

O valor dos capitais próprios do banco, um indicador do valor do banco em processos de aquisição, era em junho de 42,4 milhões de euros, de acordo com o balanço individual publicado no site do Banco de Portugal. Segundo a mesma fonte, o Efisa teve prejuízos de 1,227 milhões de euros no primeiro semestre.

Segundo o relatório e contas da Parparticipadas de 2016, o Efisa faz parte dos ativos detidos para venda e está registado no balanço ao custo de aquisição de 90,3 milhões de euros.

A venda do Banco Efisa à Pivot, acordada em outubro de 2015, foi cancelada a 3 de abril de 2017, após ter terminado o prazo para a concretização da operação. Ou seja, foi cancelado 17 meses após a escolha do comprador.

O comunicado divulgado em abril pela Parparticipadas dizia que o contrato caducou depois de “ter terminado o prazo, contratualmente previsto, para a verificação da condição de não oposição do BCE à transação”.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Recomendadas

Espanhóis endinheirados invadem gestoras de fortuna com pedidos sobre como pôr o dinheiro em Portugal

Segundo o jornal espanhol Expansión, os bancos espanhóis estão a ser inundados com pedidos de análise e informação sobre os efeitos da mudança de residência fiscal e transferência de parte (ou totalidade) do património para outras jurisdições incluindo Portugal, devido aos aumentos de impostos que estão a ser implementados pelo governo espanhol.

Site e aplicação do BCP com acesso limitado

A aplicação móvel e o site do banco estão com acesso limitado esta segunda-feira. Fonte oficial confirma ao JE que o problema “está diagnosticado e o serviço deve ser restabelecido dentro em breve”.

APB promove Open Day na banca para ensinar jovens a poupar e investir

“Ao longo da semana, iremos realizar dois webinars destinados aos alunos do ensino secundário e profissional sobre as opções de investimento disponíveis para quem quer começar a investir e os cuidados a ter na contratação destes produtos online”, anuncia a Associação Portuguesa de Bancos.
Comentários