Legionella: DanCake e Solvay já podem laborar

O inspetor-geral do Ambiente disse hoje que foram levantados os mandados sobre as empresas DanCake e Solvay, pelo que estas podem voltar a laborar, depois de uma paragem devido à infeção por “legionella”, em Vila Franca de Xira. Nuno Banza, inspetor-geral do Ambiente, explica que as duas empresas provaram ter realizado procedimentos, nomeadamente de limpeza […]

O inspetor-geral do Ambiente disse hoje que foram levantados os mandados sobre as empresas DanCake e Solvay, pelo que estas podem voltar a laborar, depois de uma paragem devido à infeção por “legionella”, em Vila Franca de Xira.

Nuno Banza, inspetor-geral do Ambiente, explica que as duas empresas provaram ter realizado procedimentos, nomeadamente de limpeza das torres de refrigeração, que garantem a laboração sem colocar em risco a saúde pública ou o ambiente.

O responsável falava a um grupo de jornalistas, num encontro sobre a atividade da Inspeção-Geral da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território.

Um surto de ‘legionella’, no concelho de Vila Franca de Xira, detetado no passado dia 7, infetou mais de 330 pessoas e matou pelo menos oito.

A doença contrai-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) e algumas empresas da região foram suspeitas de estar na origem.

OJE/Lusa

Recomendadas

Líder da Fretilin propõe relação mais económica entre Portugal e Timor-Leste

Em entrevista à Lusa em Lisboa, Mari Alkatiri explicou que esse tem sido o tema das conversas com políticos portugueses, entre os quais o Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, defendendo uma relação multilateral do quadro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quarta-feira

“Governo vai mexer nos escalões do IRS no próximo ano”; “Polícias proibidos de disparar com balas reais contra multidões”; “22 mil milhões de euros para a banca”

Dívida pública federal dos EUA supera 31 biliões de dólares

Aproximando-se do limite legal de 31,4 biliões – um limite artificial colocado pelo Congresso à capacidade de endividamento do governo federal -, a dimensão da dívida confronta uma economia que enfrenta uma inflação elevada, taxas de juro em crescendo e um dólar forte.