Egito adia votação na ONU

A organização internacional pediu várias vezes a Israel que pusesse fim à construção de colonatos em territórios palestinianos.

O governo do Egito anunciou hoje que aceitou adiar a votação da resolução da ONU sobre a condenação de Israel pela ocupação de territórios palestinianos ocupados em Jerusalém-leste, segundo divulga o Jerusalem Post. A decisão foi influenciada por um pedido de Donald Trump.

O presidente egípcio Fattah al-Sisi apresentou o projeto de resolução na noite de quarta-feira. No entanto, uma chamada do presidente-eleito dos EUA Donald Trump, que já tinha pedido um veto norte-americano a esta proposta, fez o líder egípcio mudar de opinião e repensara data da votação.

“A chamada telefónica abordou o texto de resolução submetido ao Conselho de Segurança das Nações Unidas pelo Egito sobre os colonatos israelitas”, refere um comunicado da presidência egípcia em relação à conversa entre os presidentes, salientando que ambos “concordaram sobre a importância de dar à nova Administração norte-americana a oportunidade de lidar com todos os aspetos da causa palestiniana para alcançar um acordo abrangente”.

“Como os Estados Unidos afirmam há muito tempo, a paz entre israelitas e palestinianos apenas pode surgir de conversações diretas entre as partes e não através das condições impostas pelas Nações Unidas”, declarou Trump em comunicado, acrescentando que “Israel ficaria colocado numa posição negocial muito má e é extremamente injusto para todos os israelitas”.

Uma resolução do mesmo tipo ficou comprometida em 2011 pelo veto dos Estados Unidos, sendo incerta a probabilidade de sucesso da proposta egípcia.

A organização internacional considera esta colonização ilegal e pediu várias vezes a Israel que pusesse fim à construção de colonatos.

Relacionadas

Trump: “Mundo estaria melhor se outros países tivessem arsenal nuclear”

Donald Trump já tinha abordado a questão durante a campanha para as presidenciais, tendo afirmado que os EUA deveriam aumentar o arsenal.

ONU aprova envio de observadores para Alepo

Rússia não vetou envio de observadores para a Síria e a decisão foi aceite de forma unânime pelos membros das Nações Unidas.
Recomendadas

Mercosul. Pedido de adesão uruguaio a outro bloco marcará cimeira

Uma cimeira “entretida” do Mercosul é a expectativa do Uruguai, país anfitrião e atual presidente do grupo comercial, para o próximo encontro regional onde o controverso pedido de adesão uruguaio a outro bloco comercial estará em debate.

Presidente israelita encontra-se com rei de Bahrein na primeira visita ao país

O rei do Bahrein, Hamad bin Isa al-Khalifa, recebeu este domingo o presidente de Israel, na primeira visita oficial de um chefe de Estado israelita ao reino após as duas nações terem estabelecido relações diplomáticas em setembro de 2020.

Blinken avisa Netanyahu sobre novos colonatos na Cisjordânia

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, avisou este domingo que os Estados Unidos se vão opor ao estabelecimento de novos colonatos na Cisjordânia ocupada pelo próximo governo israelita, quando Benjamin Netanyahu está prestes a voltar ao poder em Israel.
Comentários