El Cebichero: o melhor do ceviche peruano na Praça das Flores

Os criadores do projeto são João Baptista, Bernardo Crespo, Kellman Sequeira e Salvador Sobral, atuais sócios do restaurante El Clandestino, e Duarte Cardeira, antigo chef de bar do El Clandestino Lisboa, que, ao comprovarem o sucesso dos seus ceviches em Cascais decidiram potenciar o seu know how e abrir um espaço dedicado a estas iguarias na Praça das Flores.

Cevicherias há muitas, mas nem todas são capazes de transportar os seus clientes até aos melhores restaurantes peruanos. O El Cebichero, o novo restaurante de Lisboa, cumpre a promessa juntando, em deliciosos ceviches e tiraditos, os melhores e mais frescos ingredientes a mãos experientes e criativas vindas diretamente do Perú.

Os criadores do projeto são João Baptista, Bernardo Crespo, Kellman Sequeira e Salvador Sobral, atuais sócios do restaurante El Clandestino, e Duarte Cardeira, antigo chef de bar do El Clandestino Lisboa, que, ao comprovarem o sucesso dos seus ceviches em Cascais decidiram potenciar o seu know how e abrir um espaço dedicado a estas iguarias na Praça das Flores, um dos bairros mais cool da capital.

A ementa é uma verdadeira obra de arte repleta de opções coloridas, texturadas e com um sabor incomparável. Nos ceviches destacam-se o tradicional peruano, que junta peixe branco, camarão e um cremoso creme de coentros (15 euros) e o puka mixto em ajies peruanos, uma mistura de marisco e peixe branco com creme de ajies peruanos, pimentas do Perú (17 euros).

Já nos tiraditos recomenda-se o tiradito tuna nikei, um prato com influência nipónica preparado com atum, molho oriental e aji limo peruano (15 euros).  E como nem só de ceviches e tiraditos vive o homem, o El Cebichero propõe ainda duas reinvenções leves e frescas de pratos tipicamente asiáticos: um tártaro de salmão bem apurado (15€) e um macio bao de peixe branco e coentros (12 euros).

Nas sobremesas não poderia faltar a tarte fresca de lima, com o sabor cítrico inconfundível de um dos elementos principais desta gastronomia (5 euros) e a tarte de doce de leite, uma criação cremosa e adocicada que completa de forma brilhante a refeição (5 euros).

Para acompanhar este deleite pela América do Sul ou simplesmente para passar um bom momento ao final da tarde sugere-se um dos seis cocktails, como o Pisco Sour – Pisco Ancholado 1615, limão, clara de ovo e Bitters (10 euros) – ou o Muleta Peruana – Pisco Ancholado 1615, lima, hortelã, gengibre e Bitters (9,50 euros) ou um copo de vinho natural branco, palhete ou orange (5 euros) com castas únicas.

Com capacidade para 28 pessoas sentadas, o espaço fala por si: é moderno, intimista, clean e muito elegante, a galeria ideal para se degustar as composições artísticas destes mestres peruanos.

O El Cebichero, localizado na Praça das Flores nº 46, em Lisboa, encontra-se aberto de quarta-feira a domingo, das 18h00 à 01h00, estando atualmente disponível também para take-away e entrega ao domicílio via Glovo, Uber Eats, Volup e Bolt Food.

Reservas: (+351)963 611 214

Recomendadas

MyCloma Fest XMAS Edition regressa este fim-semana ao Porto

Fundada por quatro jovens em 2020, a MyCloma é uma plataforma portuguesa de compra e venda de roupa em segunda mão, uma aposta num modelo de economia circular, que visa combater o desperdício têxtil enquanto que ajuda a prolongar o ciclo de utilização dos bens. 

Investigação avalia saúde estrutural do Mosteiro da Batalha por prevenção

Uma investigação iniciada em março, no âmbito de uma bolsa de doutoramento de quatro anos, procura avaliar a saúde estrutural do Mosteiro da Batalha, Património Mundial da Unesco, com o objetivo de prevenir.

“Vinhos no Pátio” regressa de 9 a 11 de dezembro ao Pátio da Galé

A Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa e as Comissões Vitivinícolas Regionais de Lisboa e da Península de Setúbal retomam o evento Vinhos no Pátio, no Pátio da Galé. Durante três dias poder-se-ão provar mais de 200 vinhos, contactar com propostas diversificadas de enoturismo, participar em workshops e masterclasses e fazer uma pausa para petiscar.
Comentários