El Corte Inglés celebra hoje 15 anos em Portugal

Grupo espanhol anuncia ação de reforma e introdução de novidades comerciais, com um investimento significativo nos grandes armazéns de Lisboa.

O El Corte Inglés celebra hoje 15 anos de presença no mercado nacional, desde que os primeiros grandes armazéns do grupo retalhista espanhol abriram ao público em Lisboa.

É uma dupla efeméride para o El Corte Inglés, uma vez que o grupo comemora também os 75 anos de existência, período durante o qual reclama ter atingido a liderança no segmento de distribuição de grandes armazéns na Europa.

“Em Portugal o El Corte Inglés tem seguido uma trajetória de crescimento e de investimento, marcada pela inauguração da primeira loja, que agora se celebra, e pela abertura dos grandes armazéns de Gaia Porto, cinco anos depois, ao mesmo tempo que tem desenvolvido a sua relação comercial com centenas de fornecedores portugueses”, destaca um comunicado.

Segundo esse documento, “o volume de compras em Portugal, que serve as lojas da empresa portuguesa e de todo o grupo, atingiu este ano máximos que ultrapassam os 250 milhões de euros”.

“Este volume de compras inclui produtos e marcas portuguesas e, também, compras a fabricantes portuguesas de produtos que posteriormente são incluídos nas colecções das várias marcas próprias do El Corte Inglés”, acrescenta o referido comunicado.

O investimento total do El Corte Inglés em Portugal, incluindo a construção do edifício onde se encontram a loja e os escritórios onde funciona a estrutura central, ascendeu, em 2001, a 250 milhões de euros.

“Na altura, o El Corte Inglés de Lisboa surgiu como uma aposta clara em dotar a cidade de um equipamento inexistente até à data, uma vez que o conceito comercial dos grandes armazéns é diferente dos formatos de que Lisboa dispunha nas suas muitas superfícies comerciais”, avança o referido comunicado.

O mesmo documento acrescenta que, “hoje o El Corte Inglés continua a ser único no seu formato e os resultados têm demonstrado que os clientes continuam a valorizar as vantagens que exibe, designadamente o facto de no El Corte Inglés, se encontrar tudo num único lugar, com qualidade, serviço, garantia e atendimento personalizado”.

A propósito dos 15 anos de presença em Portugal – efeméride que se alia aos 75 anos de vida da cadeia de retalhos espanhola, durante os quais o El Corte Inglés reclama a liderança na categoria de grandes armazéns na Europa, a empresa de distribuição recorda que “há 15 anos, a empresa havia contratado 2.000 trabalhadores, dos quais mais de 200 eram chefias”.

“O quadro de pessoal foi recrutado e envolvido em ações de formação ao longo dos dois anos anteriores, tendo sido investidos na altura, e só em formação, mais de 20 milhões de euros”, sublinha o comunicado do El Corte Inglés.

“Hoje o número de empregados também cresceu, ultrapassando agora os três milhares, destacando-se o facto de uma grande percentagem, mais de 800, terem participado na preparação da inauguração, o que comprova o grande empenho da empresa na promoção dos seus quadros e na retenção de talentos. As acções de formação continuam a representar um grande investimento da empresa, recebendo cada empregado, em média, 60 horas de formação em cada ano”, adianta o referido comunicado.

O El Corte Inglés sublinha que “conseguiu alcançar resultados positivos desde o primeiro ano da sua atividade”, contando hoje com dois grandes armazéns (em Lisboa e em Gaia) e seis supermercados Supercor, além de outros formatos de menor dimensão. O grupo opera ainda no mercado português nas áreas das viagens, informática, centros de oportunidades, moda e ‘bricolage’.

Nos últimos anos, a empresa tem investido no desenvolvimento de novos canais de negócio, com destaque para o ‘e-commerce’.

“O Grupo El Corte Inglés mantém a sua intenção de prosseguir o ritmo de crescimento no mercado português, e tem, para isso, adaptado a sua estrutura central de compras, de serviços, operações, ‘marketing’, recrutamento e formação de pessoal e criou uma nova estrutura de comércio digital”, assegura o retalhista espanhol.

“Para 2017 os grandes armazéns de Lisboa preparam uma importante ação de reforma e de introdução de novidades comerciais, com um investimento associado muito substancial”, revela o referido comunicado.

“Neste momento, o El Corte Inglés orgulha-se de contar com mais de 50% de fornecedores portugueses”, adianta o comunicado em questão.

Dirigindo-se aos trabalhadores da empresa portuguesa do grupo, o presidente do El Corte Inglés, Dimas Gimeno, recordou os anos que passou em Portugal, primeiro como adjunto à Direção-Geral, em Lisboa, e depois, como diretor dos grandes armazéns de Gaia Porto.

Dimas Gimeno agradeceu a forma como a empresa se soube adaptar ao mercado sem nunca alienar “os valores de qualidade, serviço e garantia, que são o verdadeiro referente da marca, ao mesmo tempo que procurou adaptar-se aos consumidores portugueses, incorporar novas soluções e respeitar as características do mercado nacional.”

No ano passado, o El Corte Inglés atingiu um volume de negócios de 429 milhões de euros em Portugal, com resultados que ultrapassaram os 19 milhões.

Para celebrar o 15º aniversário no nosso País, o El Corte Inglés preparou para hoje um conjunto de ações promocionais junto dos seus clientes e centenas de fornecedores.

 

Recomendadas

“Taxa Amazon”. Barcelona prepara-se para taxar empresas de entregas

A cidade espanhola deverá aplicar uma taxa às empresas que circulem no espaço público para entregar encomendas online. Medida abrange empresas com mais de um milhão de euros em receitas anuais e deverá encaixar cerca de 3 milhões nos cofres da autarquia.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente (com áudio)

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.

Minipreço diz que lança o primeiro saco de plástico que protege os oceanos, mas é virtual

A cadeia de supermercados Minipreço, no sentido de alertar para a imprescindibilidade de reduzir o consumo de plástico, nomeadamente sacos e descartáveis, diz que foi criado “um saco de plástico virtual que, ao invés de prejudicar a natureza, auxilia na sua preservação através de donativos”.
Comentários