El Corte Inglés quer vender ativos imobiliários para diminuir dívida

O grupo encomendou à consultoria PwC o estudo da venda de ativos no valor de dois mil milhões de euros para acelerar o processo de desalavancagem.

O grupo El Corte Inglés continua a tentar reduzir a sua dívida e nesse sentido delegou na consultora PwC o estudo da venda de 130 ativos imobiliários no valor de dois mil milhões de euros, segundo avança em comunicado para o mercado espanhol, citado por vários jornais.

Andares, escritórios e edifícios definidos como não estratégicos fazem parte da extensa lista – que, se vendida, permitirá ao grupo insistir numa das promessas deixadas pela administração aos seus acionistas: a redução da dívida. No conjunto de ativos ‘descartáveis’ constam, segundo o grupo presidido por Jesús Nuño de la Rosa, interesses na área logística, para os quais o grupo já tem interessados: as multinacionais norte-americanas Merlin e Blackstone.

O objetivo destes desinvestimentos é reduzir a dívida e, dessa forma, atingir um nível de solvabilidade que permita o financiamento nos mercados a preços mais atrativos. Nesse sentido, Núñez de la Rosa prometeu reduzir o passivo do grupo em um mil milhões de euros em doze meses.

Atualmente, a carteira imobiliária do El Corte Inglés é composta por 94 centros comerciais, que representam 87% do valor total dos ativos da empresa. Duas dessas propriedades estão avaliadas em mais de 500 milhões de euros cada uma e duas outras entre 400 milhões e 500 milhões de euros.

No primeiro semestre de 2018, o grupo aumentou os lucros operacionais brutos (EBITDA) em 4,4%, para os 335 milhões de euros e, entre janeiro e agosto, registrou um volume de negócios consolidado de 7.585 milhões de euros, mais 0,4% que no mesmo período do ano anterior.

Recomendadas

“2023 será um ano de crescimento nos mercados externos”

O Grupo VAA tem como objetivo globalizar as suas duas marcas principais, Vista Alegre e Bordallo Pinheiro, e identificou sete mercados estratégicos onde está a apostar, explica Nuno Barra.

“Empresas arriscam sozinhas a entrada em mercados pela fraca dinamização e falta de apoio”

Mais de mil empresas participaram no Portugal Exportador no dia 23, orientado para a estratégia de internacionalização.

Rampa Digital dá consultoria às empresas sobre negócios no online

Associação .PT, gestora do domínio web português, quis estar perto das empresas que estão em processo de internacionalização.
Comentários