El Mundo compara Puigdemont a Le Pen

O ex-Presidente do Governo Regional da Catalunha afirmou numa entrevista, a um canal israelita, que a UE é um “clube de países decadentes e obsoletos”.

Carles Puidgemont terá sido a mais recente voz a juntar-se ao clube dos eurocéticos, após ter criticado a atuação da União Europeia (UE) face ao processo de independência da Catalunha.

Depois de afirmar no sábado, numa entrevista a um canal israelita, que a UE é um “clube de países decadentes e obsoletos”, o El Mundo colocou esta segunda-feira Carles Puidgemont no lote dos eurocéticos.

O agora exonerado Presidente do Governo Regional da Catalunha disse que “são os catalães que devem decidir se querem pertencer a esta União Europeia e em que condições”. Puidgemont falava sobre a forma como a UE encarou o processo de independência da Catalunha e como iria a região catalã inserir-se numa UE pressionada por Espanha.

Face às declarações do ex-Presidente da Generalitat, o periódico espanhol considerou a opinião de CarlesPuidgemont muito idêntica às posições do britânico Nigel Farage, o principal promotor do Brexit. Farage chegou a classificar a União Europeia de “clube de corruptos”.

Mais, ao deixar de pedir apoio aos líderes da zona Euro para criticar o seu desdém da independência da Catalunha, o El Mundo refere que o discurso endurecido de Puidgemont aproxima-o da francesa Marine Le Pen e do holandês Geert Wilders – ambos opositores da União Europeia.

De acordo com o El Mundo, embora o político espanhol tenha dito que não era contra a União Europeia e o Euro, terá afirmado que, face “aos que continuam a dizer que a Catalunha [devido à independência] vai sair da UE”, caberá aos catalães decidir. Puidgemont “apontou o dedo” aos espanhois e europeus que dizem que a Catalunha sairá da União Europeia se se separar de Espanha. “Pertencer a esta União Europeia ou não, e em que condições? Veremos o que os catalães dizem”, afirmou Puidgemont.

Com a destituição da Generalitat, após o Governo central espanhol ter dissolvido o parlamento da Catalunha a 28 de outubro, os catalães vão novamente às urnas no dia 21 de dezembro para eleger um novo executivo regional. Puidgemont, embora esteja na Bélgica, vai a votos pela lista Junts per Catalunya. O político espanhol garante que estas eleições vão "ratificar" a vontade de independência dos catalães.

 

Relacionadas

Catalunha: Gastos do referendo ocultados com bitcoins

O El Mundo indica que a decisão do Governo de Carles Puidgemont em pagar vários serviços online através da bitcoin serviu para ocultar algumas despesas causadas pela realização do referendo.

Catalunha: Puidgemont avaliou sobrevivência da nação antes da independência

“Associação Independente e Económica da Catalunha e Europa: Cenários Possíveis” é nome do documento elaborado pelo Governo Regional de Puidgmont que avalia a sobrevivência política e económica de uma Catalunha independente.

Humoristas russos enganam ministra espanhola

Dois comediantes enganaram a ministra da Defesa de Espanha, depois de Madrid acusar publicamente a Rússia de intervir indevidamente no processo de independência da Catalunha.

Catalunha: Puidgemont anuncia “estrutura” de governo a partir da Bélgica

O ex-presidente do governo autónomo da Catalunha, Carles Puidgemont, anunciou hoje a criação de uma “estrutura estável” para coordenar no estrangeiro as ações do autoproclamado governo que considera legítimo.
Recomendadas

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.

República Srpska: novo governo quer aproximação à Rússia e à China

Parte integrante da Bósnia-Herzegovina, a república sérvia-bósnia, novamente liderada por Milorad Dodik, continua a ter um comportamento desalinhado com o resto da federação.
Comentários