Eleição de Lula não muda nada para a Galp no Brasil, diz CEO

Andy Brown não prevê mudanças no clima de investimento no Brasil.

A eleição de Lula da Silva como presidente do Brasil não vai mudar nada para a Galp no país, disse hoje o presidente executivo da energética portuguesa.

“O Brasil tem tido governos de esquerda e de direita e o clima de investimento tem se mantido muito estável. Antecipamos que continue assim. Porquê? Porque o Congresso está muito focado ao centro. Para aprovar leis, é preciso ter uma legislação moderada”, afirmou Andy Brown.

“O Brasil tem atraído investimento e a Galp tem sido parte disso e acreditamos que o clima de investimento vai-se manter”, acrescentou em declarações aos jornalistas durante a Web Summit.

O país lusófono é a joia da coroa da petrolífera portuguesa: a maioria da sua produção de petróleo e de gás natural tem origem aqui, assim como a maioria do seu EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

Lula da Silva foi eleito para um terceiro mandato inédito com 50,9% dos votos (60,3 milhões), enquanto Jair Bolsonaro reuniu 49,1% (58,2 milhões). O novo presidente vai assumir o cargo em janeiro de 2023.

Relacionadas

‘Windfall taxes’? Galp defende que Governo deveria ajudar na reconversão da refinaria de Sines

O líder da energética defendeu o uso de créditos fiscais ou a canalização de receitas para a refinaria ser convertida num centro de energias limpas. “Tenho uma mensagem para o Governo: encorajem-nos a investir”, disse hoje Andy Brown.
Recomendadas

AdC acusa Cabelte, Quintas e Quintas e Solidal de cartel em contratação pública lançada pela REN

AdC acusa as empresas fornecedoras de cabos de Muito Alta Tensão de acordo anticoncorrencial em procedimentos de contratação pública, num concurso lançado pela REN.

Ibersol com lucros de 14,6 milhões de euros até setembro

A Ibersol registou nos primeiros nove meses deste ano lucros consolidados de 14,6 milhões de euros, que comparam com prejuízos de mais de 20 milhões de euros no período homólogo.

Greve na CP e IP suprimiu 701 comboios até às 18h00

A greve dos trabalhadores da CP – Comboios de Portugal e da Infraestruturas de Portugal (IP) levou à supressão de 701 comboios da CP entre as 00h00 e as 18h00.
Comentários