Eleições britânicas: vitória de Boris Johnson dará força à libra

Até serem apurados os resultados das eleições britânicas, saber como vai reagir a libra esterlina é ponto de interrogação. Mas diversos analistas antecipam que a vitória de Boris Jonhson é o melhor que pode acontecer à moeda de ‘sua majestade’.

O desfecho das eleições no Reino Unido, que opõem o conservador Boris Johnson ao trabalhista Jeremy Corbyn, vai ter impacto em diversas frentes, entre os quais se destacam os movimentos da libra esterlina pela noite fora, depois de as urnas encerrarem, às dez horas da noite.

O jornal espanhol “Expansión” citou diversos analistas que fizeram diversas previsões sobre o que poderá acontecer à libra esterlina consoante quem for para o 10 Downing Street, a residência oficial do primeiro-ministro britânico. A Nomura, grupo financeiro japonês, antecipou quatro resultados eleitorais que terão efeitos imediatos na libra quando o mercado asiático estiver aberto.

Por um lado, se se confirmar a larga maioria absoluta para o partido conservador, liderado por Boris Jonhson, a libra poderá apreciar entre 1% e 2%, com a expectativa de o processo do Brexit ser ordenado. No caso de o partido conservador vencer as eleições com uma maioria de menor expressão, a Nomura antecipa que a libra desaprecie menos 1%, e cairia entre 1% e 2% se os conservadores não lograrem a maioria parlamentar e tiverem de coligar-se com o Partido Unionista Democrático, da Irlanda do Norte.

Mas, no pior dos casos, a libra poderá desapreciar até 4% se o novo governo britânico for uma coligação entre os trabalhistas e e os liberais nacionalistas, uma vez que levantará mais incertezas sobre o Brexit, a política económica e a independência da Escócia.

A Capital Economics, uma consultora em pesquisa de mercado com escritórios em Nova Iorque, Londres, Sydney e Singapura, antecipa que a libra esterlina poderá apreciar para os 1,20 euros no caso de Boris Johnson vencer com larga vantagem sobre Jeremy Corbyn. Em sito contrário, se o Partido Unionista Democrático, que é eurocético, se tornar uma peça essencial no próximo governo britânico, a moeda poderá desapreciar para os 1,14 euros, devido à possibilidade de um Brexit ‘duro’.

No caso de Jeremy Corbyn ser o vencedor das eleições, a Capital Economics antecipa que a libra esterlina desaprecie para os 1,12 euros.

E se, surpreendentemente, o desfecho das eleições ditar uma coligação entre os conservadores e os liberais-democratas? Neste caso, a Columbia Threadneedle, uma gestora de ativos com 469 mil milhões de dólares sob gestão, antecipa que a libra poderá apreciar para os 1,40 dólares, uma vez que a política económica britânica se manteria inalterada e abrir-se-ia a possibilidade para um novo referendo sobre o Brexit.

 

Relacionadas

Reino Unido: tudo em aberto até ao último instante

Os britânicos vão hoje tentar explicar à Europa se querem exercer o seu direito de Brexit. Uma maioria absoluta dos conservadores será definitiva nesta matéria, mas uma maioria simples pode não resolver nada. E a diferença para os trabalhistas já foi maior.

Dos infantários gratuitos à abolição das propinas. Conheça as propostas para as eleições legislativas britânicas

Retomar, renegociar, revogar. Quando se trata do acordo do Brexit, são vários os verbos aplicados nos programas eleitorais dos diferentes partidos que irão a votos esta quinta-feira no Reino Unido. Conheça as principais propostas.
Recomendadas

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.

Covid-19: Várias cidades da China relaxam medidas de prevenção epidémica

Várias cidades chinesas estão a abolir algumas medidas de prevenção contra a Covid-19, sinalizando o fim gradual da estratégia ‘zero casos’, que manteve o país isolado durante quase três anos e afetou a economia.
Comentários