Eleições do Brasil: Lula recupera e segue na frente com 70% dos votos contados

A segunda volta parece cada vez mais forte numa altura em que os dois candidatos estão taco a taco nos 45%, mas com Lula da Silva, do PT, a tomar a dianteira.

Lula da Silva ( Partido dos Trabalhadores – PT) tira o primeiro lugar a Jair Bolsonaro (Partido Liberal) na contagem dos votos das eleições para a Presidência do Brasil com uma vantagem de 45,99% contra 45,29%, numa altura em que 73,33% das urnas estão apuradas, segundo os dados divulgados esta noite pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em terceiro lugar encontra-se a candidata Simone Tebet (MDB – Movimento Democrático Brasileiro), com 4,42%, e em quarto está Ciro Gomes (PDT – Partido Democrático Trabalhista), com 3,08%.

Às eleições presidenciais do maior país lusófono concorrem ainda Luiz Felipe d’Avila, Soraya Tronicke, José Maria Eymael, Kelmon Souza, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia, que têm pouco mais de 1% dos votos válidos, de acordo com a informação transmitida pelo TSE às 00h13.

No Brasil, as urnas fecharam às 17h00 (21h00 em Lisboa). Em Lisboa, as urnas para estas eleições fecharam às 20h00, sendo que o encerramento foi prolongado três horas devido à forte afluência.

Relacionadas

Eleições do Brasil: Bolsonaro mantém-se na liderança com 50% dos votos contados

A segunda volta é cada vez mais certeira, quando a contagem dos votos prossegue e a distância entre os dois principais candidatos à Presidência do Brasil diminui.

Eleições do Brasil: Primeiros números oficiais dão liderança a Bolsonaro sem maioria absoluta

Às 21h30, pouco mais de 1% dos votos válidos estavam contados. Em Lisboa, as urnas fecharam pelas 20:00, após o encerramento ser prolongado devido à forte afluência.
Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários