Eleições gerais em Israel antecipadas para abril

As eleições gerais em Israel vão realizar-se no dia 9 de abril de 2019, seis meses antes do fim previsto da legislatura.

Ronen Zvulun /Reuters

As eleições gerais em Israel vão realizar-se no dia 9 de abril de 2019, seis meses antes do fim previsto da legislatura, anunciou esta segunda-feira em Jerusalém a coligação que apoia o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

“Os líderes dos partidos da coligação decidiram, por unanimidade, dissolver o Knesset [parlamento israelita] e realizar eleições, em princípio de abril, cumpridos quatro anos da legislatura”, anunciou a coligação num comunicado citado pelo jornal diário Haaretz.

A marcação de eleições antecipadas surge após uma crise governamental por divergências no seio da coligação em relação a uma proposta de lei para estender o recrutamento do serviço militar obrigatório aos judeus ultraortodoxos, que atualmente estão livres dessa obrigação.

A proposta vai a votação no dia 06 de janeiro, mas o partido Yesh Atid, um dos principais da coligação, liderado por Yair Lapid, já fez saber que votará contra a posição oficial do Governo.

Este anúncio veio abalar ainda mais a base de apoio de Netanyahu, que dispõe apenas de 61 lugares numa câmara de 120, após a saída em rutura do antigo ministro da Defesa, Avigdor Lieberman, e do seu partido da coligação de direita.

O primeiro-ministro israelita, que cumpre o seu quarto mandato, enfrenta atualmente diversas investigações judiciais relacionadas com problemas financeiros, fiscais e de eventual corrupção. A posição de Netanyahu está politicamente próxima do insustentável. É que não só o primeiro-ministro está sob a alçada das investigações como uma série de amigos que lhe são próximos são suspeitos de conseguirem o favorecimento do político em negócios na órbita do Estado.

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários