Eleições. Le Pen ganha 1ª volta das regionais francesas

A Frente Nacional, partido de extrema-direita, liderado por Marine Le Pen, venceu em, pelo menos, seis das 13 regiões na primeira volta das eleições regionais. A segunda volta terá lugar no próximo domingo. Os números, ainda não definitivos, apontam para uma vitória histórica entre 27,2% e 30,8% da Frente Nacional. Nas eleições regionais de 2010, […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Frente Nacional, partido de extrema-direita, liderado por Marine Le Pen, venceu em, pelo menos, seis das 13 regiões na primeira volta das eleições regionais. A segunda volta terá lugar no próximo domingo.

Os números, ainda não definitivos, apontam para uma vitória histórica entre 27,2% e 30,8% da Frente Nacional. Nas eleições regionais de 2010, este partido obtivera somente 11% dos votos.

A Frente Nacional ultrapassa largamente a oposição de direita e os socialistas em três regiões decisivas:  Nord-Pas-de-Calais-Picardie, no norte de França, onde Marine Le Pen é a cabeça, no sudeste, região de Provence-Alpes-Côte d’Azur, onde a campanha foi liderada pela sobrinha Marion Maréchal-Le Pen, e no leste, região da Alsácia-Champagne-Ardenas-Lorena, com o estratega do partido, Florian Philippot.

Os recentes atentados de Paris aumentaram a confusão no eleitorado que se deixou tentar pela extrema direita, anti-imigração e anti-Europa, enviando, assim, uma mensagem forte aos partidos até agora dominantes: os Republicanos, do antigo Presidente francês Nicolas Sarkozy e os Socialistas do Presidente, François Hollande.

OJE

Recomendadas

Desflorestação na Amazónia cai pela primeira vez no Governo de Bolsonaro

A Amazónia brasileira perdeu 11.568 km2 de cobertura vegetal entre agosto de 2021 e julho de 2022, menos 11,3% que a devastada no ano anterior. É a primeira redução do desmatamento desde que Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Israel: Netanyahu garante que vai manter a controlo sobre a extrema-direita

Primeiro-ministro designado insiste que os radicais com que formará governo não vão tomar o poder nas suas mãos. “Israel não será governado pelo Talmud”. A incógnita é o que acontecerá com o seu julgamento por corrupção.

Parlamento alemão define como genocídio a “grande fome” na Ucrânia

O parlamento alemão aprovou uma resolução que define de genocídio o ‘Holodomor´’, a “grande fome” que atingiu a Ucrânia em 1932-1933 e que terá vitimado mais de três milhões de ucranianos.