Eleições na Guiné-Bissau: Sociedade civil fala em fraca afluência às urnas

O coordenador da célula, que agrupa várias organizações da sociedade civil guineense, receia que o número da abstenção possa superar o da primeira volta, que foi na ordem de 25%.

O coordenador da célula da sociedade civil guineense para a monitorização do processo eleitoral, Rui Semedo, disse hoje à Lusa que a afluência às urnas na segunda volta das presidenciais “está a ser fraca”.

“Pelas informações, a afluência é muito fraca em relação à primeira volta. As pessoas estão a ir a conta-gotas às assembleias do voto e isso preocupa-nos bastante”, afirmou Rui Semedo, num primeiro balanço da votação.

O coordenador da célula, que agrupa várias organizações da sociedade civil guineense, receia que o número da abstenção possa superar o da primeira volta, que foi na ordem de 25%.

Algumas rádios preencheram a sua programação com apelos aos eleitores para se dirigirem às assembleias de voto, indicou Semedo, precisando que a fraca afluência às urnas é registada em todo o território guineense.

Rui Semedo disse ainda que de modo geral a votação decorre dentro da normalidade, salvo duas situações registadas, logo no início do processo, em Tombali, no sul, onde alguns boletins do voto não estavam autenticados, conforme a lei, com o carimbo da Comissão Nacional de Eleições (CNE), na frente e verso.

Avisado, o presidente da Comissão Regional de Eleições (CRE) resolveu a situação antes do início da votação, precisou Rui Semedo.

A mesma situação ocorreu em Biombo, nordeste, sendo que 40 pessoas já tinham votado em boletins não autenticados, disse Semedo.

“Aqueles votos foram contabilizados e registados”, precisou o coordenador da célula da sociedade civil para a monitorização do processo eleitoral, instituição financiada pela União Europeia.

Em relação aos resultados da votação de hoje dos quais sairá o novo Presidente guineense, Rui Semedo citou fontes oficiosas para apontam que poderão ser conhecidos na terça-feira, mas pediu que sejam proclamados “o quanto antes para evitar especulações e tensões pós-votação”.

Mais de 760.000 guineenses são hoje chamados às urnas para escolherem o próximo Presidente da Guiné-Bissau, entre Domingos Simões Pereira, candidato do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), e Umaro Sissoco Embaló, candidato do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15).

Relacionadas

Eleições na Guiné-Bissau: CPLP otimista em relação a todo o processo

Mais de 760.000 guineenses foram hoje chamados às urnas para escolher o próximo Presidente da Guiné-Bissau entre Domingos Simões Pereira, apoiado pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), e Umaro Sissoco Embaló, apoiado pelo Movimento para a Alternância Democrático (Madem-G15).

Eleições na Guiné-Bissau: Votação decorre de forma calma e mobilização dos eleitores é forte

Questionado sobre se havia dificuldades a assinalar, o chefe da missão de observação eleitoral da CEDEAO disse que não, o que é um “motivo de orgulho” para a organização e para a Guiné-Bissau.
Recomendadas

Ucrânia: Biden diz que aliados da NATO não serão “intimidados” por Putin

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou hoje que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão “intimidar” pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá “cada centímetro” do seu território.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Grupo de direitos das mulheres apela à FIFA que exclua Irão do Campeonato do Mundo

“Por que a FIFA daria ao Estado iraniano e aos seus representantes um palco global, enquanto não apenas se recusa a respeitar os direitos humanos e dignidades básicos, mas atualmente está a torturar e matar o seu próprio povo?”, questionam na carta enviada ao representante do organismo.
Comentários