Eleições presidenciais no Afeganistão adiadas para 20 de julho

Anúncio surgiu após semanas de especulações em torno de um adiamento com o objetivo de dar mais tempo às negociações de paz entre os norte-americanos e os talibãs.

As eleições presidenciais no Afeganistão, inicialmente marcadas para 20 de abril, vão realizar-se a 20 de julho, anunciou hoje o chefe da Comissão Eleitoral Independente, Abdul Badi Sayyad.

As eleições provinciais e locais, bem como uma votação legislativa na província de Ghazni, irão decorrer no mesmo dia, disse o responsável aos jornalistas, citado pela Agência France Presse.

Este anúncio surgiu após semanas de especulações em torno de um adiamento com o objetivo de dar mais tempo às negociações de paz entre os norte-americanos e os talibãs.

A data anterior, 20 de abril, tinha sido considerada irrealista por vários observadores, já que a Comissão Eleitoral Independente ainda não divulgou os resultados definitivos das eleições legislativas de outubro.

Um porta-voz do presidente Ashraf Ghani, que se candidata a um novo mandato, saudou o adiamento da data das eleições.

Este adiamento surgiu após o anúncio – não confirmado oficialmente – da retirada de cerca de sete mil dos 14 mil soldados norte-americanos, atualmente em solo afegão.

As últimas eleições presidenciais no Afeganistão, realizadas em 2014, ficaram marcadas por alegações generalizadas de fraude.

Os dois principais candidatos, Ashraf Ghani e Abdullah Abdullah, passaram a uma segunda volta com resultados muito próximos, mas antes de os resultados definitivos terem sido anunciados, Abdullah alegou ter existido fraude generalizada na votação.

O então secretário de Estado norte-americano, John Kerry, intercedeu e foi negociado um Governo de unidade nacional.

Ghani foi nomeado presidente e a Abdullah foi dado o recém-criado cargo de Chefe Executivo, num acordo que deveria ter durando dois anos, mas que continua até hoje.

Recomendadas

Ameaça nuclear de Putin “deve ser levada a sério”, alerta analista

“Estamos a abordar uma situação considerada impensável. Uma nova realidade”, vincou Eugene Rumer, ex-oficial dos serviços de informações para a Rússia e Eurásia no Conselho de Inteligência Nacional dos Estados Unidos e diretor do programa Rússia e Eurásia do Carnegie Endowment Endowment for International Peace.

Eleições em São Tomé. Patrice Trovoada exorta primeiro-ministro a reconhecer a derrota

O presidente da Ação Democrática Independente (ADI), partido mais votado nas legislativas de São Tomé e Príncipe, exortou hoje o primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, a reconhecer a derrota do MLSTP/PSD “o mais rapidamente possível” para apaziguar o clima social.

CPLP e comunidade da África Central negoceiam cooperação política e de formação em português

A Comunidade Económica dos Estados da África Central e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) discutiram hoje formas de cooperação no domínio político, desenvolvimento da língua portuguesa e comissões de observação eleitoral, referiram responsáveis das organizações.
Comentários