Eletricidade vai aumentar 40% já a partir do final do mês, diz presidente da Endesa

Segundo Nuno Ribeiro da Silva, os consumidores irão começar a pagar a diferença do “travão do gás” já em julho, mas sobretudo em agosto.

A eletricidade vai aumentar em cerca de 40% “ou mais” já a partir do final deste mês, disse o presidente da Endesa, Nuno Ribeiro da Silva, em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios.

O empresário revelou que já a partir do final de julho, mas sobretudo em agosto, alguns consumidores domésticos vão começar a pagar o “travão do gás”, uma exceção criada para Portugal e Espanha que permitiu um desconto nos preços do gás natural utilizado para a produção de eletricidade.

Desde a primeira semana em que “o travão do gás” ibérico foi implementado, foi permitida uma redução de 10% do preço que seria pago se não estivesse em funcionamento o teto nos preços grossistas do gás natural.

Nuno Ribeiro da Silva destaca, no entanto, que “essa diferença entre o verdadeiro preço do gás e preço em que se pôs uma ‘tampa’ vai ser paga pelos consumidores através dos mecanismos de compensação”.

Segundo as regras de Bruxelas, um défice tarifário não pode ser acumulado nem empurrado para o futuro e terá de ser pago pelos consumidores. O número de consumidores abrangidos vai aumentar à medida que os contratos que já estavam assinados antes do dia 26 de abril completarem um ano.

Segundo Nuno Ribeiro da Silva, o Governo está ciente da situação porque as empresas alertaram para o facto através de uma carta.

“A medida foi boa para Espanha porque tem um problema muito complexo sobre uma tarifa populista criada pelo Governo espanhol, a chamada PVPC, utilizada por 11 milhões de lares, mas que aqui não tem correspondência”, refere ainda o presidente da Endesa.

Nuno Ribeiro da Silva admite que já está a ocorrer a migração dos consumidores para o mercado regulado, tanto na eletricidade como no gás, uma tendência que deverá acentuar-se.

Recomendadas

Preços das importações crescem mais do que as das exportações e agravam perda dos termos de troca de Portugal

Os preços implícitos das importações subiram 26%, enquanto os das exportações aumentaram 18,6%. Resultado? Agravou-se a perda dos termos de troca de Portugal, o que vem acontecendo há vários meses, sobretudo, por efeito da crise energética.

Seca contribuiu para a segunda pior campanha de cereais de inverno dos últimos 105 anos

Além dos cereais, também a produção de batata, macieiras e pereiras foram especialmente afetados pela seca no país.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.
Comentários