Eletricidade volta a subir 3% no mercado regulado já em outubro (com áudio)

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos anunciou que o preço da eletricidade no mercado regulado deverá aumentar 5 euros por megawatt/hora. A mudança tem efeito já a partir de 1 de outubro e representa uma subida de 3% para a maioria dos clientes. Saiba quanto vai subir a sua fatura.

O preço da eletricidade no mercado regulado vai aumentar cerca de 5 euros por megawatt/hora (MWh), já a partir do próximo dia 1 de outubro.

O anúncio foi feito esta quinta-feira pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Segundo a mesma entidade, este aumento representa uma subida de 3% na fatura para a maioria dos clientes e a atualização “ocorre num momento em que os mercados de energia são particularmente afetados pelo conflito que decorre entre a Ucrânia e a Rússia”.

Mecanismo ibérico pode manter-se mas adaptado às novas medidas, avisa Bruxelas

No comunicado publicado na sua página oficial, a ERSE explica que a atualização da tarifa de energia do mercado regulado é avaliada trimestralmente e tem em conta os custos de aquisição considerados para o comercializador de último recurso (CUR), segundo o mecanismo pré-estabelecido no regulamento tarifário.

Nesse sentido, o regulador explica que “face aos parâmetros regulatórios estabelecidos” se verificou um desvio de mais ou menos 10 euros por megawatt/hora relativamente ao custo de aquisição que estava inicialmente previsto, o que se traduz numa atualização da tarifa em mais 5 euros por megawatt/hora.

Fatura média mensal a partir de 1 de outubro de 2022

  • Casal sem filhos (potência 3,45 kVA, consumo 1900 kWh/ano)
  • Casal com dois filhos (potência 6,9 kVA, consumo 5000 kWh/ano)
  • 38,22 euros
  • 94,97 euros
Variação média face à fatura de setembro de 2022

  • Casal sem filhos (potência 3,45 kVA, consumo 1900 kWh/ano)
  • Casal com dois filhos (potência 6,9 kVA, consumo 5000 kWh/ano)
  • +1,05 euros/mês
  • +2,86 euros/mês

Fonte: ERSE

O impacto da subida, diz a ERSE, irá traduzir-se para a maioria dos clientes numa subida de 3% no total da fatura de eletricidade, já com taxas e impostos incluídos em relação aos preços que se encontram em vigor, mas ressalva que os valores não incluem a redução do IVA que está prevista também para o próximo mês.

Descida do IVA da eletricidade afeta “mais de 85% dos consumidores”, diz Medina (com áudio)

Os preços da tarifa de energia foram atualizados duas vezes este ano: em abril e em julho. Com esta nova revisão, com efeitos a partir de 1 de outubro, nota a ERSE, a variação tarifária média anual em baixa tensão normal (BTN) passa a ser de +1,8% face ao período homólogo, no mercado regulado do sector elétrico.

Ao todo, a revisão da tarifa de energia deverá abranger cerca de 927 mil clientes, com base em dados de julho deste ano. O regulador deixa ainda um conselho aos consumidores para estarem atentos “a eventuais alterações nas condições de preço praticadas pelos comercializadores de mercado”. Quer isto dizer que é provável que muito em breve as energéticas a operar nesse mercado comuniquem, por carta ou e-mail, a alteração do preço contratualizado aos seus clientes.

Notícia atualizada às 19h52

Relacionadas

Crise Energia. PS poderá “calibrar” medidas no próximo Orçamento

“Não terminamos aqui, é preciso que não nos esqueçamos disso. Começámos há muito tempo a apresentar medidas para esta crise, em março, apresentámos o Orçamento [do Estado para 2022], um primeiro pacote, um segundo pacote, apresentámos este pacote e agora temos um orçamento”, declarou o deputado do PS Carlos Pereira.

Governo está a monitorizar o lucro das energéticas

“Sabemos que a Comissão Europeia sugeriu e recomendou essa medida [taxação de lucros extraordinários]. Estamos a monitorizar os lucros das empresas do sistema”, afirmou António Costa Silva, em conferência de imprensa, em Lisboa.
Recomendadas

Goldman Sachs prevê que inflação medida pelo IHPC atinja 5% em outubro na zona euro

O banco norte-americano prevê ainda que o ano de 2023 verá a inflação ‘core’ em 2,9% (em comparação a 2,7%), e para 2024 deve atingir 2,2% (2,1% anteriormente), consequência de um arrefecimento mais lento das pressões da inflação ‘core’ até 2023.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Turismo do Centro teme retração de mercados internacionais em 2023

“O que temos mais certo é o imprevisível”, afirmou Pedro Machado, que falava aos jornalistas em Coimbra, no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Turismo, que se celebra na terça-feira.
Comentários