Eletrónica francesa. Um colosso no centro do sistema de inovação

Sozinha, esta indústria tem uma faturação superior ao PIB de muitos países da União Europeia. Dos perto de 100 mil milhões de euros de volume de negócios da eletrónica francesa 48% provêm das exportações e 16% destinam-se à I&D. Com um volume de negócios na casa dos 100 mil milhões de euros – quase tanto […]

Sozinha, esta indústria tem uma faturação superior ao PIB de muitos países da União Europeia. Dos perto de 100 mil milhões de euros de volume de negócios da eletrónica francesa 48% provêm das exportações e 16% destinam-se à I&D.

eletrónica França

Com um volume de negócios na casa dos 100 mil milhões de euros – quase tanto como o produto Interno Bruto da Hungria e duas vezes mais do que o da Bulgária -, a indústria eletrónica francesa é um gigante bem desperto. Segundo dados da Federação das Indústrias Elétricas, Eletrónicas e de Comunicação, o saldo comercial das atividades do setor tem-se traduzido, nos últimos anos, por um excedente comercial na casa dos 8 mil milhões de euros. A taxa de cobertura é particularmente elevada na área do fabrico de equipamentos elétricos, dos componentes eletrónicos e dos sistemas de navegação.

Qualquer que seja a área de atividade para que produzam, as empresas de eletrónica estão no coração da inovação, concebendo, fabricando e comercializando soluções, tecnologias, produtos e serviços que respondem às questões da modernidade e do futuro, como: eficiência energética, mobilidade, domótica, telecomunicações, segurança eletrónica, entre outros.

Em França, a aposta na inovação e a investigação & desenvolvimento traduz-se numa indústria competitiva, que apesar da conjuntura económica difícil tem aumentado as exportações, nos últimos anos: atualmente quase metade dos 98 mil milhões de euros provêm das exportações e 16% são afetados à investigação e desenvolvimento.

Como em qualquer setor de atividade proliferam as pequenas e médias empresas, num total de 87% do tecido empresarial. As restantes são grandes empresas. Destacamos três nomes presentes em Portugal: Alcatel-Lucent, Legrand e Schneider Electric.

A Alcatel-Lucent opera nas infraestruturas de rede e telecomunicações. Já foi só francesa, atualmente está em vias de ser comprada pela finlandesa Nokia. A fusão, que já foi autorizada pela Comissão Europeia, deverá ser formalizada no primeiro semestre de 2016, data em que nasce a Nokia Corporation.

Pesente em mais de 180 países, o grupo Legrand é especialista em infraestruturas eléctricas e tecnologias de informação para edifícios residenciais, áreas sociais e locais de trabalho.

A Schneider Electric opera em mais de 100 países, detendo 197 unidades fabris e 1,5 mil pontos de venda. A especialista global em gestão de energia registou, no ano fiscal de 2014, um volume de negócios de 25 mil milhões de euros. Em Portugal, emprega 200 pessoas e destaca-se a sua aposta na formação. A formação é facultada através do Centro de Formação da Schneider Electric e da Energy University.

Almerinda Romeira/OJE

Recomendadas

Mais de 1,1 mil milhões do PT 2020 mobilizados para a inclusão social e combate à pobreza no Norte do país

A Estratégia Europa 2020 assumida por Portugal visava atingir uma taxa de emprego de 75% e a redução de, pelo menos, 200 mil pessoas em situação de risco de pobreza ou exclusão social, metas que foram alcançadas.

Açores vão receber mais 80 milhões do PRR

O Governo dos Açores anunciou hoje que a região vai receber 80 milhões de euros adicionais ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e avançou que 90 milhões daquele plano já se encontram nos “destinatários finais”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.