Elina Fraga e Guilherme Figueiredo disputam segunda volta

O próximo lugar de bastonário da Ordem dos Advogados vai ser disputado entre a actual bastonária e o advogado Guilherme Figueiredo.

Foram os dois candidatos mais votados nas eleições de sexta-feira para o cargo de bastonário da Ordem dos Advogados para o triénio 2017 – 2019 e vão disputar uma segunda volta.

A atual bastonária Elina Fraga obteve 8.706 votos e Guilherme Figueiredo conseguiu 7.838 votos, uma diferença de 868 votos.

Os resultados eleitorais estão disponíveis no site da Ordem dos Advogados, no total votaram 21.316 advogados para o cargo de bastonário e para o Conselho Geral.

Os outros candidatos Jerónimo Martins obteve 1.374 votos e Varela Gomes 973. Houve ainda 2.109 votos em branco e 316 nulos.

Ao contrário das eleições de 2014, neste ato eleitoral para o triénio 2017-2019 não é automaticamente eleito o candidato mais votado, sendo necessário obter mais de metade dos votos para que isso aconteça. Não obtendo nenhum candidato mais de 50 por cento dos votos há, obrigatoriamente, uma segunda volta entre os dois candidatos mais votados, refere uma notícia da Lusa.

Recomendadas

Bruxelas favorável a limite de preço para gás russo

“A Europa enfrenta a chantagem energética da Rússia, e a procura global de gás é mais elevada do que a oferta. Precisamos de trabalhar ao longo de toda a cadeia para enfrentar o desafio. Primeiro, temos de agir no ponto em que o gás entra no nosso mercado. Estamos a negociar com os nossos fornecedores fiáveis de gás de gasoduto. Se isto não trouxer resultados, então é possível um preço máximo”, declarou a comissária.

Governo reconhece necessidade de “valorizar salários” e espera acordo na Concertação Social

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares discursava no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, no âmbito da conferência “Em nome do futuro: os desafios da juventude”, organizada pela Santa Casa da Misericórdia e pela Rádio da Renascença.

Inflação na Alemanha acelera para 10% em setembro

A inflação homóloga na Alemanha terá subido para 10% em setembro, com os preços da energia e dos alimentos a subirem na sequência da guerra na Ucrânia, de acordo com os números provisórios divulgados hoje.
Comentários