Elon Musk quer cortar 10% dos postos de trabalho na Tesla

O empresário disse internamente que tem um “muito mau pressentimento” sobre a evolução da economia.

O CEO da Tesla, Elon Musk, quer cortar cerca de 10% dos empregos da empresa por estar preocupado com a evolução da economia, segundo a “Reuters” que cita emails internos da empresa.

A informação surge dois dias depois de Elon Musk ter dito aos funcionários para regressarem ao trabalho presencial ou deixarem a empresa.

No final de 2021 a Tesla empregava cerca de 100.000 pessoas na empresa. Antes do aviso de Musk a produtora de carros elétricos tinha cerca de 5.000 vagas de emprego no LinkedIn.

Agora que foi divulgado que Musk pretende cortar nos postos de trabalho, Jason Stomel, fundador da agência de talentos de tecnologia Cadre, defende que o aviso para os funcionários regressarem à empresa pode ser “apenas uma demissão disfarçada, o que significa que podem livrar-se das pessoas”.

“Elon Musk sabe que há uma percentagem de trabalhadores que simplesmente não vai voltar”, assegurou Jason Stomel.

Embora as preocupações com o risco de recessão tenham crescido, os pedidos por carros da Tesla e outros veículos elétricos permaneceram fortes. Ainda assim, a Tesla tem trabalhado para reiniciar a produção na fábrica de Xangai depois dos confinamentos provocados pela Covid-19 terem forçado interrupções dispendiosas na fábrica.

No final de maio, quando questionado por um utilizador do Twitter se a economia estava a aproximar-se de uma recessão, Musk respondeu: “Sim, mas isso é realmente uma coisa boa. Algumas falências precisam acontecer”.

Recomendadas

Espanha agrava impostos sobre lucros de petrolíferas e elétricas em 2023

Espanha vai avançar com o agravamento de impostos sobre os lucros das empresas energéticas, atendendo à subida dos preços, anunciou este sábado o primeiro-ministro Pedro Sánchez.

PremiumEleições antecipadas são “uma grande incógnita”

A coligação a que muitos chamaram contranatura durou apenas um ano. O país segue para novas eleições antecipadas no outono e a possibilidade do regresso de Benjamin Netanyahu é real. Mas alguma coisa pode ter mudado em Israel.

Condenação do estatuto de candidato à UE revela fraqueza do Kremlin

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano afirmou este sábado que a condenação do Kremlin de uma “garra geopolítica” dirigida à Rússia, na sequência da atribuição à Ucrânia e à Moldova de estatuto de candidato à UE “mostra a sua fraqueza”.
Comentários