“Em cinco anos, o mercado das telecomunicações vai mudar completamente”

Com uma quota de mercado de 35%, a Vantage Towers é o segundo maior operador de torres de telecomunicações em Portugal, atrás da Cellnex. Nada que preocupe Paolo Favaro, o CEO da Vantage. Em entrevista ao NOVO Economia, o gestor diz que há dezenas de milhões de euros na calha para construir novas instalações. Quanto ao 5G, a empresa já preparou mais de 1.500 sites.

O italiano Paolo Favaro está à frente da Vantage Towers Portugal há dois anos, desde que a empresa se isolou da Vodafone e comprou as torres de comunicações em Portugal. Muito mudou desde então, diz o gestor, para quem o mercado português é dos mais interessantes na Europa, com uma “mistura explosiva” de novos players, nova tecnologia para instalar e um leilão de 5G que acelerou toda a materialização dos investimentos. São tempos interessantes e para crescer – em quota de mercado mas, sobretudo, em receitas.

A Vantage Towers tem 35% de quota de mercado. Qual é a vossa perspectiva de crescimento nesse indicador?

Nós queremos crescer em quota de mercado. A ideia é tentar fazer mais negócio com toda a gente no mercado. Mas não é tudo acerca da quota de mercado. Acho que é mais o crescimento das receitas, essa é a coisa mais importante.
Tipicamente, a quota de mercado é calculada através do número de locais [torres]. Por isso, o que temos de fazer para o negóciocrescer é, por um lado, potencialmente, construir mais locais, mais instalações, mas, ao mesmo
tempo, fazer o máximo com aqueles que já temos.

Leia o artigo na íntegra na edição do NOVO que está, este sábado, dia 3 de dezembro, nas bancas.

Recomendadas

Maiores bancos espanhóis preparam-se para contestar taxa sobre lucros “caídos do céu”

Os bancos espanhóis vão avançar com uma ação legal contra a contribuição sobre os lucros inesperados, de acordo com fontes próximas dessas instituições. Em Portugal, a medida não se aplica à banca. Antes, é exigida às empresas do sector da energia e da distribuição alimentar.

Lidl doou 3,7 mil toneladas de alimentos em 2022. Ajuda chegou a mais de 330 mil pessoas

A cadeia de supermercados fez saber que as doações foram atribuídas a diversas instituições de solidariedade social com atividade em locais próximos das lojas Lidl.

“Em Portugal os mediadores representam 86% da produção na Liberty”, diz responsável por Portugal e Irlanda

“Só para ter uma ideia da nossa atual trajetória, a janeiro de 2023 estamos a crescer mais de 50% em novo negócio Automóvel – tudo porque nos antecipámos ao mercado e prevemos que este seja um ano onde a Liberty vai colher os frutos das sementes entretanto lançadas em 2022 e com isso preparar o crescimento sustentado”, diz Rita Almeida em entrevista.
Comentários